domingo, 17 de outubro de 2021

Em Despedida




 Na última caminhada deste ano pelas dunas,

 as paliçadas ofereceram-me um belo sorriso 

de "até-para-o-ano"

Lá estarei!


.Nocturno op9, nr.2, Chopin

domingo, 10 de outubro de 2021

Descobrindo uma cidade dita banal





 Ar puro, arte de rua,  silêncio na rua principal, prédios humanizados

Descobrindo o Seixal!


. My favorite things, John Coltrane

domingo, 3 de outubro de 2021

Descobrindo uma cidade dita banal





 A beleza da baía, a histórica escola recuperada, o moinho de maré
No Seixal por 2 dias


.My favorite things, John Coltrane


domingo, 26 de setembro de 2021

As folhas de Outono




O Outono com todo o seu esplendor de tonalidades,
 com o cheiro a terra molhada, com a melancolia das folhas caídas

.
Autumn leaves, Miles Davis


domingo, 19 de setembro de 2021

O adeus do verão


 Os últimos cravos púrpura, salpicados com as primeiras chuvas outonais:

 assim é o adeus sereno e silencioso do verão!


.In a silent way, Miles Davis


domingo, 12 de setembro de 2021

Tempo de mudar de pele




 Despiu-se aqui no jardim, deixou a velha roupa para trás...
 e foi embora!

.Milton e Chico, O que será (à flor da pele)

domingo, 5 de setembro de 2021

Para a sobremesa...




 Vai uma nectarina do pomar?


.
My favorite Things, John Coltrane



domingo, 1 de agosto de 2021

A irresistível atracção da luz - pelos campos de Marvão



 A serenidade da luz ao amanhecer, o seu irresistível apelo 

BOAS FÉRIAS
e
até Setembro



.Amanhecer, Edvard Grieg, da Suite Peer Gynt




domingo, 25 de julho de 2021

Os cavalos de Marvão


 Os cavalos, os cães e o amigo de ambos!

.Summertime, Vivaldi, Four Seasons

domingo, 18 de julho de 2021

Entre pontes e proximidades em Marvão

A ponte romana na Portagem



 A Espanha no horizonte, lá ao longe mas tão perto

.Summertime, George Gershwin

domingo, 11 de julho de 2021

Pelos soutos e pelas pedras de Marvão


 






E o passeio continua...

.Summertime, Billie Holiday



domingo, 4 de julho de 2021

O trevo de 4 folhas

Todos os anos floresce por esta altura

(este ano agarradinho ao craveiro)



Todos os anos nos traz a sorte possível!

.
Summertime, Ella Fitzgerald/Louis Armstrong



 

domingo, 27 de junho de 2021

Contemplação



 Do nosso lado esquerdo aprecia-se o Cabo Carvoeiro, habitualmente envolto em neblina; em frente, se se esperar um pouco e o sol ajudar, consegue-se ver as Berlengas; à volta e até onde os olhos alcançam é o mar, a sua música e o seu perfume. Depois fecham-se os olhos, relaxa-se o corpo e a mente, e entra-se em contemplação interior, que é onde tudo se transforma e se guarda!

.La mer, Claude Debussy


domingo, 20 de junho de 2021

O passeio do costume



 A Foz do Arelho é assim uma espécie de romaria que eu cumpro todos os anos! E todos os anos encontro os mesmos tons na lagoa, respiro o mesmo perfume do mar, faço as mesmas caminhadas, fotografo as mesmas paisagens, visito os mesmos familiares- mas tudo é novo em cada visita! Ou então serei eu que em cada visita olho para a minha Foz de uma maneira diferente!

Contra o que muitos repetem, é bom voltar ao sítio onde se foi feliz uma vez, e aí voltar a sê-lo.


.La mer, Claude Debussy


domingo, 13 de junho de 2021

A beleza das coisas simples

O equilíbrio das formas



 A serenidade das linhas rectas


.Souvenance, Anouar Brahem

domingo, 6 de junho de 2021

Esculturas ao vento


 Indispensável no passado, escultura de vento que perdeu utilidade mas manteve a beleza

.

Windmills of your mind, Sting


sábado, 29 de maio de 2021

Maio e a música/poesia


 José Afonso ficou para sempre ligado a este mês com as suas Cantigas do Maio. Escolhi a faixa Cantar Alentejano  porque, no contexto dos temas relacionados com Maio, nesta canção Zeca Afonso fala da resistência cidadã de antes de Abril, e dos crimes imperdoáveis cometidos contra quem lutava por uma vida mais digna. Cantar Alentejano é um retrato de Maio e do que representa:

Chamava-se Catarina
O Alentejo a viu nascer
Serranas viram-na em vida
Baleizão a viu morrer
Ceifeiras na manhã fria
Flores na campa lhe vão pôr
Ficou vermelha a campina
Do sangue que então brotou
Acalma o furor campina
Que o teu pranto não findou
Quem viu morrer Catarina
Não perdoa a quem matou
(…)


. Cantar Alentejano, José Afonso

sábado, 22 de maio de 2021

Maio e a natureza

Maio é mês de plenitudes: das papoilas a pintarem as searas (se é que ainda as há); de favas deliciosas apanhadas e comidas no mesmo dia, Maio as dá, Maio as leva, diz-se por aqui, e durante é aproveitar e comer favas todos os dias; das cerejas, a fruta que é uma decoração, uma guloseima, uma natureza morta – cerejas de Maio, ou as leva a chuva ou as leva o gaio; das inúmeras flores silvestres, sem dono e em jardim de todos, distribuindo alegria a quem quiser olhar para elas.

Maio, maduro Maio!


.Maio maduro Maio, José Afonso

 

terça-feira, 18 de maio de 2021

A beleza natural

A beleza espontânea, que a natureza oferece



 A beleza cultivada, mas que é sempre oferta da natureza 

.Morning, Yusef Lateef

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Maio e as convicções


 Maio é o mês, hoje é o dia da mais importante peregrinação em Portugal. Nós vemo-los passar aqui quase à porta, os peregrinos, em grupos alegres ou então isolados e tristes. Todos cansados, mas estão a chegar. Para cumprirem promessas, para se sentirem amparados, para procurarem na sua fé ajuda e força. Fieis à sua igreja, entidade poderosíssima que mantém e estimula nos seus crentes a ideia de uma vida de sacrifício e resignação como caminho para a felicidade eterna.

.Nocturnos, Chopin (Maria João Pires)


quinta-feira, 6 de maio de 2021

Passeio pelo Alentejo

Rebanho com castelo ao fundo

Um montado junto do Monfurado

Entrada do Castelo de Montemor-o-Novo


 O cromeleque dos Almendres
.
Quem dera andar por lá todos os fins-de-semana...


. The sounds of silence, Simon & Garfunkel

sábado, 1 de maio de 2021

1º de MAIO

1º de Maio de 2019

em piquenique



 1º de Maio de 2020
em sentido

-
E a incerteza deste ano...

.
Maio, Maduro Maio - José Afonso