quinta-feira, 15 de julho de 2010

Horizontes largos

O meu horizonte começa onde terminam os esforços do homem - diz a ave, de costas, para a nuvem mais próxima.
.
Waltz 2, Jazz Suite No.2, Shostakovitch

31 comentários:

greentea disse...

é Justine ... e qunto mais pequeno o país mais estreitos os horizontes ...

com senso disse...

O olhar da ave tem uma perspectiva do mundo e talvez da vida a partir de um ponto que lhe permite ver a vastidão das coisas e a sua relatividade.
Para além disso, podem sempre bater asas e voar... para longe!
Tenho alguma inveja confesso!

Há.dias.assim disse...

E essa é uma boa forma de encontrar um horizonte...

horizontes encontrados disse...

São os esforços dos homens que rasgam horizontes, responderiam as pedras trabalhadas pelas mãos.
E o diálogo continuaria porque a ave ripostaria "e o meu canto?" e a pedra ressoaria "e Shostakovitch?", e

anamar disse...

o olhar da ave supera o do homem...
questão de voos mais altos...
:))
beijinho

Maria disse...

Às vezes não me importava de ser ave. Há sempre um caminho a fazer...

Beijo.

Patti disse...

Cada um terá os seus... mas que enorme sorte a da ave!

MagyMay disse...

O homem tem os horizontes do seu engenho...
... a ave, tem tudo de cima e à distância...

Um grande abraço, Justine

poetaeusou . . . disse...

*
nos horizontes utópicos,
o meu está aquém da ilusão !
,
conchinhas, deixo,
,
*

Pitanga Doce disse...

O meu aproxima-se...o horizonte.

beijos Justine

Sara disse...

Os esforços do homem terminam? Essa não é uma boa notícia, mesmo pensando naquilo que possibilita à ave ter horizontes.
Que os esforços do homem continuem, visando novos horizontes, sem obliterar horizontes alheios.
Um abraço e um bom fim-de-semana :)

GR disse...

Esta ave voa para a liberdade, descobriu, "O Caminho das Aves"

Mais uma bela foto,

BJS,

GR

as-nunes disse...

Bela imagem fotográfica, oportuno aforismo e uma música espantosa!

E as nossas bandas filarmónicas que andam por aí, agora mais do que nunca, em tempo de festas tradicionais religiosas, algumas que até tocam esta música, a maioria, porém, atêm-se à música de cariz mais popularucho.

Abraço
António

Duarte disse...

Gosto da passarada,
mas quero vê-los em liberdade,
sentir e pressentir os seus cantares,
que felicidade!!!
Até das gaivotas,
mas no seu habitat!
não as quero cidadãs,
tem que cheirar a mar
e a sardinhas...
recém chegadas à praia.


Valência está em festa, "La Feria de Julio", no dia 25 é a "Batalla de flores"... pode ser um ponto de vista da ave...

Um grande abraço e um bom verão

Fernando Samuel disse...

Quem não deseja voar com uma ave destas?...


Um beijo.

Rosa dos Ventos disse...

Então ela vê muito longe porque o que interessa mesmo é o grande esforço de tanto homem...
Abraço

samuel disse...

Grande, grande texto!
A fotografia, sei lá porquê, lembrou-me Tomar... e foi bom!, e o que eu gosto desta "cantiga" do Shostakovich, então...

Beijo.

intimidades disse...

adorei a foto, e o texto lindos

Beijos
paula

intimidades disse...

adorei a foto, e o texto lindos

Beijos
paula

tulipa disse...

Bela imagem a ilustrar tão verdadeiro pensamento.

Obrigada pela partilha.

Se puder venha refrescar-se com as minhas imagens do rio Sado, nos Momentos Perfeitos.
Veja o hospital onde estive internada, em plena serra da Arrábida.

Um abraço.

R. disse...

Terminam os esforços materiais, mas não os horizontes humanos. Esses, tendem para o infinito.
Um abraço!

segurademim disse...

se podesse escolher um animal para ser, seria uma girafa

nunca desejei voar, mas sonhar e ver mais além, sim!!

bj.

mdsol disse...

Brilhante, Justine. Como admiro quem assim sintetiza tanta coisa importante.
E a música, menina...
Valeu mesmo.
(como vale sempre)

Beijinhos


:)))

pinguim disse...

Embora não goste de pássaros (é a minha fobia), invejo a sua capacidade de desfrutar horizontes...
Música (como sempre) adequada.

jawaa disse...

Justine, os esforços do Homem não terminam nunca, ou não seríamos quem somos!
Abraço amigo

Mar Arável disse...

E eu a pensar que tinha asas

Uma vez mais tenho que reunir

com as aves

Bj

Carlos disse...

Mas as aves não têm consciência da imensidão de que são donas nem da liberdade que possuem, pelo que os seus horizontes são, afinal, mais pequenos que os horizontes do mais limitado dos Homens.

poesianopopular disse...

Que os nossos horizontes sejam todos verticais.
Por muitos anos!
Bj

Licínia Quitério disse...

"Adeus. Eu vou com as aves." - disse o poeta. Mas é melhor não largar as mãos dos homens.

Post muito, muito belo.

avezinha disse...

Adoro aves. Neste momento conturbado que o nosso país atravessa se tivesse asas voava para bem longe com todos os meus passarinhos. Mas voltava...

Bela foto e belo pensamento.

ana disse...

Venho do Guizo e o Gato e vi primeiro, que gosta de gatos, partilho do mesmo gosto, o meu gato vai gostar de saber.
Segundo, adorei a fotografia porque apesar do gato ser o meu animal por excelência, os pássaros têm a vantagem de voar.
Tropecei na sua afirmação que me encantou. Julgo que o pássaro é mais livre do que o homem, pois,"começa o seu horizonte onde os esforços do homem acabam", mesmo num pássaro de metal o homem não pode voar tão livremente.
Terceiro, o seu nome, li há alguns anos o Quarteto que me deliciou.
Parabéns pelo seu espaço.