segunda-feira, 6 de junho de 2011

Águas alentejanas







Há um rio que se transformou em lago. E o lago transformou o rosto alentejano: de seco e curtido, olha-nos agora suavizado, rejuvenescido.


O lado estético de uma realidade...


.


Vague, Anouar Brahem


32 comentários:

vovó disse...

o teu "postado" continua lindo! :)... mas prefiro as águas açorianas :))...
beijocassssss
vovómaria

pinguim disse...

Adorei visitar essas terras agora "regadas" em permanência.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

E como essas águas transformaram a paisagem alentejana...

jrd disse...

Oh Alentejo belíssimo!
Há-de ser tua, a tua nação.

abraço

Rosa dos Ventos disse...

O Alqueva trouxe mais frescura ao Alentejo da "nossa" alma que tão lindo é!

Abraço

Fernando Samuel disse...

Que coisa linda!
Obrigado.

Um beijo.

viajante disse...

As águas do meu Alentejo de infância resumiam-se a uma albufeira (entre Borba e Elvas). Agora a Albufeira é outra. Gigante, que não conheço. Mas que saudades da pequena albufeira...

viajante disse...

PS: Olhar de novo as fotos e, agora, ouvir a música.
Fabuloso.

Graciete Rietsch disse...

Ver as fotos e ouvir a música é a bonança depois da tempestade.
Mas fica uma tristeza.
Alentejo, Alentejo,de Catarina Eufémia,da Reforma Agrária e dos seus assassinados, da luta,da resistência, que fizeram de ti?
Não deixes que te tirem a água e a beleza do Alqueva para lazer dos poderosos. Alqueva não deixará de ser belo se servir a sua principal função que é irrigar o celeiro de Portugal.
Obrigada,Justine, que com o teu post vieste trazer luz à escuridão da noite passada.
O teu blog é lindo,muito lindo.

Um beijo grande.

mfc disse...

Temos um país verdadeiramente lindo!

lino disse...

Pena que não sirva para o principal fim para que foi construído.
Abraço

Anónimo disse...

Ó Alentejo,nem sei se gosto de ver essa tua imensidão de água. Foste sempre tão generoso e nem por isso menos usado e abusado...
Oxalá essa nova riqueza seja distribuida por quem merece e não pelos vampiros que nunca te perderam de vista.
Abraço,Alentejo.
Kinkas

Sara disse...

Imagens de serenidade e de uma certa melancolia. Ou talvez sejam apenas os meus olhos...
Há todo um país para conhecer. Obrigada por mediares o conhecimento no que a esta paisagem diz respeito.
Um abraço.

Sara disse...

Justine,
uma amiga deu-me uma sugestão para deixar de ser anónima nos comentários. Quando fizeres log in, vê se tens accionada a função "manter a sessão iniciada". Se for o caso, desactiva-a. Com ela resultou e comigo também.

ao teu lado disse...

O Alentejo, o Alqueva, nós.
A luta para que fosse ("construam-me, pôrra!").Sempre a luta.
O Alentejo de sempre e do futuro. Do sequeiro e do regadio.
O Alentejo de agora. Do muito turismo para pouca produção. Da sorrateira invasão do olival da Estremadura do outro lado da fonteira.
E nós. E tudo!
O prazer de te "visitar" estando tu ao meu lado.

R. disse...

Dir-se-ia, também, apaziguado.
Um abraço.

JPD disse...

Quando fui para o Alentejo, há ano e meio, espreitar o Alqueva e a Nova Aldeia da Luz, almocei no alto, no Castelo de Monsaraz.
Foi uma viagem maravilhosa.
Gosto muito do Alentejo em Maio e finais de Setembro.

Bjs

Lilá(s) disse...

Acompanhei o desaparecimento da antiga Aldeia da Luz e o nascimento da actual, agora já há uns tempos que não vou lá e confesso que tenho saudades-
Bjs

Pitanga Doce disse...

Águas assim...só lá. Ah Justine! Quando a "Rosa" ainda achava que sufocava a "Ana"! Tão enganada que estava, enquanto vislumbrava esta paisagem!

Beijos em noite de autêntico Inverno.

trepadeira disse...

Está demasiado calmo e aguado,prefiro seco e curtido.

Um abraço,
mário

greentea disse...

Portugal tem sempre recantos escondidos, submersos, por descobrir!!

Licínia Quitério disse...

Seco ou molhado, o Alentejo tem uma força incomparável.

OUTONO disse...

Olhamos e perdemos a vontade de não olhar...tal o imenso, dentro do infinito do nosso prazer...

Anónimo disse...

É belo ...será aproveitado com o fim para que se queria, há tanto tempo?
A mim cheira-me sempre a negócio de motas de água e "lazeres" diferentes do que a alma do Alentejo É.
Branca e tisnada, papoila e trigo, forte e resistente, aberta ao sol mas resistente ao golpe traiçoeiro da sombra.
Bj da bettips

al disse...

Excelente paisagem para desfrutar num dia ameno ao cair da noite...

Há.dias.assim disse...

lindo!!!!!!!!!

Duarte disse...

Imagens serenas, quais aguarelas, saídas de pincel guiado por mão ágil...
Hoje, o árido pode converter-se em fértil, temos as tecnologias à mão, é só utilizá-las adequadamente.
Belos e acertados, os teus dizeres.


Um grande abraço

Clarice disse...

Um planeta jamais adormecido, sempre surpreendendo. Que belas imagens!
Abraços.

M. disse...

Interessante o que dizes na tua última frase. Será muitas vezes isso que nos ameniza o pensamento.
Lindíssima a música.

Sofá Amarelo disse...

O milagre das águas, transformar um fio de água num grande lago... um tempo que o tempo ainda não soube aproveitar!

carol disse...

Muito belas as fotografias. E muito belo o texto! O Alentejo é LINDO!

Que bela intervenção a de hoje! Parabéns!

BrandNewStudio disse...

BeautifulPictures