sábado, 31 de março de 2012

O império dos 5 sentidos**


Sento-me na relva ao fundo do jardim, apaziguada com o concerto do pintassilgo ao despique com o rouxinol. O ar doce do fim da tarde traz até mim o perfume das glicínias, que de novo este ano me espantam o olhar com o fulgor da sua floração lilás. O meu gato vem em passo leve conversar comigo. Afago-lhe o pêlo de veludo, enquanto saboreio devagar a doçura dos primeiros morangos do jardim. Mais um dia que termina, serenamente!
.
**O filme de Nagisa Oshima nada tem (ou tem?) a ver com este assunto.
.
Spring is here, Bill Evans Trio

35 comentários:

Sam Seaborn disse...

Primavera, Primavera, Primavera… as imagens, os cheios, os sabores, as pequenas coisas, a simplicidade…
Bom fim-de-semana.

Licínia Quitério disse...

Não vi o filme, mas o cenário, a acção e a fala têm a ver com o meu imaginado oriente. Que beleza a das glicínias!

e eu aqui tão perto disse...

... e eu tão perto...
sentado na minha "pedra filosofal", filosofando..., na espera que Abril traga as chuvas mil. Duplicando o fruir do som dos pássaros (a que acrescentaste o Bill Evans), do perfume das glicínias e da sua floração lilás, do tacto do pelo do gato, do sabor dos morangos, candidato a ser um sexto sentido teu.

Gostei (não preciso do filme).

Clarice disse...

Eu sou apaixonada por essa trepadeira. Havia uma em nossa casa e depois que sumiu sabe-se lá por conta de qual peraltice ou descuido, nunca mais vi em lugar algum. Na falta de sabermos o nome eu chamava de uva de jardim. Se la crescesse em vaso eu faria até milagre para ter uma.
Lindas lembranças sublinhadas por essas doces palavras do post.
Obrigada.
Bom final de semana.

lino disse...

Que bela imagem!
Beijinho

Rosa dos Ventos disse...

Que prosa tão poética a acompanhar um recanto do teu jardim tão colorido!
Mesmo que a minha glicínia estivesse assim eu seria capaz de falar dela desta forma...apesar do pêlo aveludado das minhas gatas! :-))
Se tem a ver com o filme?
Tem pelo menos a ver com o título!

Abraço

jrd disse...

Tudo a ver.
De Oshima e da sedução dos pássaros, do lilás das flores e do veludo dos gatos, da sensualidade...

Maria disse...

O cheiro das glicínias sobrepôs-se ao cheiro a pão quente que vem da cozinha. Pelo menos na minha memória. Belas cores que te serenam o final de mais um dia...

mdsol disse...

Conheço e gosto muito. Estou com saudades, mas há alturas em que não dispomos de nós como queremos. Beijinhos, querida Justine.

salvoconduto disse...

Há muito que deixei de saber como canta o pintassilgo muito menos o rouxinol, problemas do cimento...

João Roque disse...

Que suavidade encantadora...

samuel disse...

Uau!!!!

A inveja não mata... mas esta ligeira "pontada"... será?! :-) :-) :-)

Graciete Rietsch disse...

Não vi o filme.
Mas a beleza deste "post". incluindo música, fotografia e prosa, emociona-me.Aliás como todos os outros que tenho visto.

Um beijo grande.

Duarte disse...

Que bonito!...
Olores e sabores que a terra dá e que muitas vezes não sabemos aproveitar adequadamente.
O quadro que tão bem descreves fascinou-me... vou ao teu encontro, amiga da alma... quanta placidez nesse viver!...
Aprendi a dizer de pequeno... uvas da Páscoa...
Te abraço emocionado e feliz

mfc disse...

Ora aqui está um post que não podemos deixar de ler e ver com um sorriso no rosto!!
Fizeste um post lindíssimo!

Sara disse...

Belíssimos: a fotografia e o texto. Fui literalmente transportada para o teu jardim. Gostei de lá estar este bocadinho. Obrigada por me receberes :))
Boa semana!

cristal disse...

Tenho que arranjar tempo para ir saborear contigo... enquanto é tempo.

trepadeira disse...

Também gosto muito das glicínias.A que aqui está à porta excedeu-se,tudo cachos lindos.
Apetece cantar,já vai caindo chuva.

Um abraço,
mário

São disse...

Linnnnndooooo e suaveeeeeeee, gostei!!

Serna noite.

R. disse...

E é também serenidade o que se sente ao ler-te, à medida que despertam os nossos cinco sentidos.

Um abraço e os votos de que a serenidade permaneça.

Graça Sampaio disse...

Pena não dar para "transcrever" para aqui o perfume inimitável das glicínias! Das flores mais belas e mais repousantes.

Beijinhos floridos.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ao ler este post até esqueci a tristeza cinzentas dos fins de tarde dos últimos dias.
Obrigado pelas palavras que deixaste no meu novo blog de crónicas "on the rocks"

Vítor Fernandes disse...

Essa sinfonia dos pássaros é tão linda. Recorda-me a minha casita lá no Alentejo onde vou às vezes e onde me delicio com os concertos matinais. Quanto à beleza das glicíneas que retrata ainda não estão no seu fulgor aqui no meu parque, mas é uma questão de dias.
Boa semana.

PS. Excelente a música de fundo.

Zé-Viajante disse...

Uma ternura de sentidos. Muito belo.

anamar disse...

E, há manhas e tardes assim...
A natureza no seu esplendor.
Beijinho

Pitanga Doce disse...

Maravilhosos tons, perfumes, sabores. Maravilhosa estação do ano. Maravilhoso é o amor que se faz e desfaz na Primavera.

Bom dia, minha amiga.

Jorge Manuel Gomes disse...

Justine,

Obrigado por nos deixares entrar assim no teu jardim!

Encontro apenas uma palavra para o definir: Belo!

E daqui a nada temos por aí as macieiras em flor. Delícia...

A música, essa, continua a condizer!


Esperamos por vós na 2ª quinzena de Julho, para matar saudades...


Abreijos,

Jorge

Mar Arável disse...

Uma bela trepadeira

com flores pendentes

Bjs

Cenourit@ disse...

Adoro Glicíneas e o aroma que se espalha no ar com uma leve brisa...

Beijocas***

Lilá(s) disse...

Como me sinto bem nesse cenário! enquanto houver glicínias floridas os
dias terminaram assim serenamente...
Adorei esta postagem!
Bjs

greentea disse...

gosto imenso de glicinias e nunca as consigo ter ...as tuas estão lindissimas!
por aqui , só hoje vi as primeiras andorinhas nesta primavera-verão-outono-inverno do nosso descontentamento

al disse...

Fantásticas cores.
Beijos

M. disse...

Um certo ambiente oriental me transmite esta fotografia. A beleza da Natureza que nos apazigua.

bettips disse...

A saudade é (também) das pessoas, do lugar, esse espaço, todo, os livros, as escadas, a cozinha, os amores-perfeitos, o Mounty fugindo... e tanto, tanto, das glicínias. Apazigua dor - eu vou domando, apaziguando a dor. Até o tempo passar. Não esqueço os lugares mas estou como que pairando na pessoa que fui. De novo me apetece por a distância entre eu aqui e eu ali. Dias e dias a separar as águas e a cultivar o nada.
Eis-me que mergulho no cheiro lilás e sonho.
Bjinhos

jawaa disse...

Isto é uma beleza ímpar, Justine.
Chega até mim o cheiro das glicínias.

Este ano por aqui houve geada negra e até as glicínias só agora estão a começar a dar flor no Casal.
Um abraço, goza esse esplendor por mim também.