segunda-feira, 5 de março de 2012

Da Maneira Mais Simples

É apenas o começo. Só depois dói,
e se lhe dá nome.
Às vezes chamam-lhe paixão. Que pode
acontecer da maneira mais simples:
umas gotas de chuva no cabelo.
Aproximas a mão, os dedos
desatam a arder inesperadamente,
recuas de medo. Aqueles cabelos,
as suas gotas de água são o começo,
apenas o começo. Antes
do fim terás de pegar no fogo
e fazeres do inverno
a mais ardente das estações.


(Os Sulcos da Sede, Eugénio de Andrade)
.
Memories of you, Charles Mingus

30 comentários:

João Roque disse...

Eugénio de Andrade no seu melhor.

Rosa dos Ventos disse...

Sabes que fiquei arrepiada e ao mesmo tempo comovida com este poema?
Algumas das nossas conversas têm tocado ao de leve este tema...
Já me interrogava por onde andarias! :-))

Abraço

que assim seja disse...

Que assim seja! Ou ámen, como alguns dizem.
Porque assim é. Se assim fizermos que seja.

Mas…
(há sempre um mas!)
Mas… como páginas adiante dizia o mesmo EuGénio:

Dai-me ainda outro verão,
um verão de sul,
um verão
de rolas frementes de cio,
de porosa alegria, de luz varrida
pela cal;
(...)

Graciete Rietsch disse...

Este poema do Eugénio não sei se conforta ou entristece. Eu senti-me triste, mas também acabamos de perder a cadela Labrador da minha filha Susana.
A música,linda, também me soou triste.

Um beijo.

jrd disse...

Eugénio, o poeta, um dos nossos maiores.
A beleza do prelúdio que antecede o fascínio do momento.

OUTONO disse...

...soletro este nome...e apaziguo na ânsia de palavras que necessito...

Beijo

São disse...

Continuo achando que Eugénio é um dos nossos melhores poetas acerca do amor

Uma boa semana

Maria disse...

De Eugénio nem me atrevo a falar. È apenas um dos melhores e maiores da nossa língua.
Da fotografia ainda digo que o brilho e a cor ainda me espantam. Excelente!

Vítor Fernandes disse...

O poema de Eugénio, a música de Mingus e, com certeza, a foto de Justine. Uma trilogia que se merece.

Luis Filipe Gomes disse...

muito belo, e de uma clarividência inexcedível.

lino disse...

Um belo poema para uma bonita imagem!
Beijinho

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O poema é ternura, a imagem que o acompanha beleza e a música o êxtase final

R. disse...

A eloquência de Eugénio Andrade deixa-me invariavelmente sem palavras. Como comentar quando está tudo dito?

Belíssimas escolhas. A fotografia e a melodia nunca decepcionam.

Um abraço com os votos de uma excelente semana :)

salvoconduto disse...

E tão maltratada anda a memória do Eugénio aqui na terra que fez sua.

greentea disse...

e que bom podermos ainda sentir tudo isso !!!

Pitanga Doce disse...

Espera aí que vou ali e já volto, Justine. Ó Senhor!

jorge esteves disse...

(Re)lembrar Eugénio de Andrade, agora que o Inverno se apresta para abalar. Confesso que já não o lia há uns tempitos...
Obrigado!

abraços

mfc disse...

Ele sabia fazer-nos sorrir ao ser um poeta diferente!

Lilá(s) disse...

Eugénio de Andrade em grande!
Boa escolha
Bjs

Anónimo disse...

Sensibilidade e bom-gosto em estado puro.
Beleza e lirismo até ao limite.
Maravilhoso Eugénio.

Campanica

Licínia Quitério disse...

Fico sempre assim, parada, numa admiração de primeira vez, a ler Eugénio.

E a música...

Obrigada.

trepadeira disse...

Neste vai vem da net foi difícil fazer comentários que vingassem.

Belo,muito belo.

Um abraço,
mário

poetaeusou . . . disse...

*
a simplicidade
da tua escolha,
traz-nos a beleza das palavras !
,
um mar de conchinhas,
ficam,
*

Benó disse...

Duma maneira simples,como tão bem descreve o poeta, assim pode começar uma paixão que nunca se sabe como acaba. Pode ser lava de vulcão em permanente erupção, ondas bravas no alto mar, fogo tudo queimando, avalanches de neve soterrando apagando incendios mas, nunca,nunca, águas calmas dum lago.
Um bom fim de semana, Justine.

Graça Sampaio disse...

A habitual sensibilidade e Eugénio de Andrade (que acho que tinha tão mau feitio... malgré tout...)

Beijinhos e ronrons.

Clarice disse...

Muito bem escolhido. Assim conheço um pouco dos seus poetas favoritos.
O amor visto assim, a transformar-se, até que faço fé.
Beijo e bom final de semana.

al disse...

Gostei...

Sara disse...

É impressionante como Eugénio era capaz de traduzir os cambiantes da alma. Não conhecia este poema, belíssimo. Belíssima também a escolha da música e da fotografia: gotas de chuva sobre uma cor de paixão...
Abraço de boa semana.

Duarte disse...

A cor e o pensamento em estreita harmonia.
A força do sentir com a pujança do proceder.
Que grande este Eugénio!
Beijinhos, querida amiga

Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.