sábado, 9 de março de 2013

Evidência

 
O mundo está de pernas para o ar?
Ou a afogar-se?
Ou tudo não passa de uma ilusão de óptica?
.
 

 
 
Evidence, Thelinious Monk Quartet
 
 


17 comentários:

O Puma disse...

Não minha amiga

a coisa está clarinha

lino disse...

Está mesmo de pernas para o ar!
Beijinho

Luis Filipe Gomes disse...

Esperemos que seja uma ilusão de óptica.
A fotografia é muito bela.

jrd disse...

Não é óptica não!...

Lilá(s) disse...

Começo a acreditar que é a triste realidade...
Bjs

João Roque disse...

Antes fosse...

salvoconduto disse...

Era tão bom acordar e constatar que tinha sido apenas um pesadelo, ainda estamos a esfregar os olhos e já qualquer coisa se encarrega de o negar, e são tantas.

greentea disse...

acho q não é ilusão de óptica , não ....
bejinhos

Graciete Rietsch disse...

Não é ilusão, não . É mesmo realidade!!!
Para desanuviar um pouco, é bom consultar este blog tão belo.

Um beijo.

Rosa dos Ventos disse...

Só tenho a dizer que a foto está linda...o mundo nem por isso!

Abraço

Duarte disse...

Tudo é uma questão de óptica. Há quem se está a forrar com as desgraças dos demais. A vida é assim de ingrata, cruel.
Querida amiga, desejo que estejas bem: abraço-te...

São disse...

A fotografia está muito boa.

Quanto ao resto, está tudo muito claro: temos de lutar!

Bom serão

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

A minha única dúvida é se vai afogar-se ou incendiar-se, Justine. A segunda hipótese parece-me mais provável. Infelizmente..

Benó disse...

Bonita foto, Justine.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Justinamiga



Vogando pela blogosfera. Sem rumo definido, encontrei-te no blogue da Graça. Vim até cá – e gostei. Foi uma boa dica. Se não tivesse gostado, também to dia. Sou pão, pão, queijo, queijo; ou como na tropa aprendi: serviço é serviço; conhaque é… conhaque.

Vou a caminho dos 72 aninhos. Sou virgem (20/09/41, para efeitos de prenda…) mas tenho, temos, a Raquel e eu, três filhos, quatro netos e uma neta. E vamos fazer 50 anos de casado – ai o que eu tenho sofrido para aguentar tamanha cruz… Bodas de ouro? Nada, não. Na verdade, bodas de felicidade.

Gosto de ser brincalhão e brejeiro com quem mo merece – e mo permite e me responde no mesmo tom. A minha Travessa do Ferreira (http://aminhatravessadoferreira.blogspot.com ) pode ser o exemplo do que gosto de gozar: enfim, sou um velhote que persiste em ser jovem… da cabeça… de cima.

Como aqui vim e como Amor com Amor se paga, espero por ti, pelos teus comentários e pela tua (per)seguição. O mesmo já aqui fiz, ou seja: já faço parte dos teus perseguidores. Podes entrar na minha Travessa que então será também tua. Isto é, nossa.
Peço-te desculpa deste escrito que é maior do que a légua da Póvoa

Qjs = queijinhos = beijinhos

________________
NB – Este texto é estereotipado. Não tinha, nem tenho, nem teria tempo de o escrever um por um. Mas não entendas isto com falta de consideração ou malandrice. Mas posso assegurar-te que ser reformado é quando se trabalha mais. E ainda: um jornalista nunca se reforma – no papel, sim, na mentalidade, nunca.


divagando devagar disse...

... ou não será o mundo uma ilusão de óptica? Acho que não (dos que acham coisas...). O mundo é real, material, como nós o somos. Enquanto... Gostamos/precisamos é de criar ilusões (de óptica ou outras). Às vezes, valem a pena, valorizando-nos, como algumas que engendras a três dimensões (texto, foto, música),
Obrigado

M. disse...

Faço a mesma pergunta. Vale-nos a beleza das coisas e, neste caso, a beleza da tua fotografia.