segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Por terras de Montemuro - II


Entre o céu e a pedra permanece o sagrado,
ou o anseio do homem esquecer que é finito.

(na Capela de São Cristóvão, no cimo da Serra de Montemuro)


.
Konsert i a-dur 1, Antonio Vivaldi

14 comentários:

greentea disse...

que liiiindas aldeias nós temos no Portugal antigo e bem interior ! são poucos os que lá chegam ... costumo ir para uma aldeia mais ou menos assim , em tudo semelhante : a serra, o vale cultivado , as casas muitas delas recuperadas onde agora vivem familias novas

O Puma disse...

Belíssimas são as pedras

com vida por dentro

Graciete Rietsch disse...

São as maravilhosas aldeias de Portugal, de granito e xisto e de gente de "pedra" também, tão maltratada, que constituirá os alicerces de um Novo Portugal. Assim tomem consciência do seu poder.
Vivaldi a adoçar a tristeza deste País oprimido.
Um beijo.

Luis Filipe Gomes disse...

São Cristovão é um santo popular dos que foge ao escrutínio da igreja e a tradição diz que foi mártir por decapitação. Ajudava na travessia de passagens difíceis como rios ou montanhas. Esse alto indica com certeza uma passagem antiga para pessoas ou animais, não quer dizer que passassem pelo cume mas sim que o cume era um dos pontos de orientação para o percurso mais favorável incluindo a existência de água para beber. Nesse cume devia ser prestado culto a uma divindade antiga pré-cristã que velava pela boa viagem e simbólicamente como bem dizes por essa transição que é a vida finita.

São disse...

Excelente ângulo o que escolheste!

Atira-nos directamente para cima, para o azul límpido do céu.

Sant@s não são mais que divindades pagãs cristianizads...e até as Virgens Negras são , tão só, Isis com Hórus ao colo !

Bom Setembro :)

Anónimo disse...

Os lugares e os olhos transformam
as simnples pedras e o simples andar.
Há a vivência dum passado, pagão ou não, que deixou memórias profundas.
Tão bom soltar-se assim!
Bjinho da bettips

Luis Filipe Gomes disse...

Concordo com a São mas há santinhos de génese espontânea. Resultam sempre de uma necessidade para que não há resposta. O Santo António tornou-se santo pela sua língua que dizem se mantém incorrupta e com a qual derrotou os argumentos dos Albigenses. Uns sujeitos que diziam que o mundo material e carnal fora criado pelo Deus Mau e não pelo Deus Bom. Bem sabido é o problema de poder haver dois deuses numa religião monoteísta.
O povo que não teve tempo de andar à escola e não tem tempo para estes cismas dos doutores percebeu tudo que havia a perceber da homilética da oratória e da sermonia do santo. Recorda-o como o santo que faz casamentos, mesmo em noivos serôdios pois por velha que seja a carne, não deixa de ser boa; que conserta e encontra o que parece perdido ou corrompido do mundo material; mundo que também foi criado pelo Deus uno e bom.

OUTONO disse...

O infinito do sentir!!!
Tão bom passar por aqui...
Abraço!

OUTONO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
em viagem contigo disse...

... anseio de esquecer
ou receio de lembrar
ou "tocata e fuga" ?

Belos "posts" a dizerem que, só por eles, teria valido a pena a viagem e estadia. Mas houve mais...

GR disse...

Tanta serenidade e silêncio.
Belíssima foto.

GD BJ,

GR

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Está um belo ângulo para um bonito sítio... Gosto dos locais ermos que geralmente são tão quietos :)

João Roque disse...

Viva Vivaldi...

jrd disse...

Excelente a legenda, magnífica a imagem.