quinta-feira, 23 de agosto de 2018

O fim de um tempo






 
 
(Um mês depois, com um texto de SR para o blog CANTO NOSSO)
 
desde o começo do século fazia parte do nosso canto. quase desde que nascera. tivemos de esperar pelo desmame materno. veio do alentejo. de um "amor ao primeiro olhar". fez, deste nosso canto então aqui a instalar-se, o seu canto.
a conviver connosco. durante dezoito anos de quotidiana aprendizagem mútua. sobre humanos - estes humanos - e gatos - aquele gato. afeiçoando-nos.
de forte personalidade, impunha o seu querer (e paladar) com pertinácia e tacto. água?... só fresquinha em vários espaços da casa ou nas poças do quintal.
quando nós, os humanos, nos metemos nisto dos blogs, tornou-se tema e personagem, ainda mais protagonista quando a humana enveredou pela fotografia e o fez o "gato da blogosfera".
naturalmente também aqui, quando esboçámos este canto nosso. naturalmente, entre os raros momentos aqui fixados do nosso viver-a-dois, a sua presença mostra bem como ele, o Mounti, fazia parte do canto nosso num viver-a-três. até porque quis (e soube) condicionar determinantemente vivências e projectos.
muito mais se poderia escrever, já escrito foi, escrito ainda será.
para aqui, esta foto (entre as outras) de uma sesta abraçado pelo faz-de-dono e... de patas cruzadas. esta foto a pedir legenda, embora legenda trouxesse: mãos e mãos.


 rodeados de humanos queridos (sem esquecer os "outros") sem bússola, que falta sentimos do teu olhar firme, sereno, terno.
_________________________
 
Fim de um tempo e provável fim deste blogue, que nasceu muito por causa do Mounty.
A todos os amigos que me visitaram, dialogaram e acompanharam durante estes anos,
muito obrigada e até sempre.
mjdr
 

12 comentários:

©carmen zita disse...

Onde nos encontraremos agora?

Anónimo disse...

Que ternura e aconchego neste adeus/até sempre! Tanto mais que o conheci furtivo nas presenças novas, carinhoso com os de casa, e curioso pelo que aqui fui lendo.
O faz de dono que diga à donadele que há espaços aí de que senti(re)mos falta, cantos e recantos, o cair das folhas, os rebentos da macieira, o despertar das glicínias, o saltitar dos melros, as mil pequenas coisas que enchem essa casa, de tanto afecto e vivência. Pode ser um livro, uma parede... Não te vás, J. Os blogues estão "fora de moda" mas há sempre os saudosos saudadores desta aventura que é um contacto no ar e um contar "que estamos aqui".
Bjs aos dois
B

Luis Filipe Gomes disse...

"Todo cambia" como diz Mercedes Sosa.
Mas era bom que pudesses continuar com as tuas fotografias e com a escrita que foste derramando por aqui ou noutro lado. Pensa nisso.

Duarte disse...

Assim foi como nos conhecemos, num comentario que fiz sobre o Mounty. Aqui estamos, aqui seguimos, e quero que sigas, o Mounty bem o merece.
Tive oportunidade de observar aquilo que o "faz de dono" diz. Tinha personalidade e não veio a cheirar-me à primeira vista, demorou, mas veio: y lá o retratei.
Vivo em mim está o seu talante de felino, que impunha pelo seu porte altivo.
Abrazos de vida, querida amiga.

Lilazdavioleta disse...

Uma pausa , certo . Para sempre , não .
O Mounty não ia gostar .

Teresa Durães disse...

Não haverá pir aí um gatinho bebé a pedir uma dona por companhia? Não por substituição mas são tantos os gatinhos que precisam da nossa ajuda.

Teresa Durães disse...

Quando precisei de mandar abater a minha cadela, o mundo morreu para mim.fiquei de cama sem conseguir falar. Nada mais interessava. Uma amiga minha trouxe-me dois gatinhos - não são para substituir. E não eram . Tão pequeninos. Era tudo estranho e eu sofria pela minha cadela. Mas os gatos insurgiram no meu coração sem que eu autorizasse. A minha cadela estava e está presente. Não a esqueço mas amo o meu gato. Tenho saudades da Ema, a minha cadela, muitas muitas, mas amo o meu gato. Ele não ocupa o lugar dela mas tem o seu sítio. Nós temos uma capacidade de amar que transborda. A minha cadela morreu há dois anos e eu tenho imensas saudades dela. Mas tenho o meu gato.

Isabel disse...

Um texto muito lindo, mas espero que não assinale o fim do blogue. Seria uma pena...

Beijinhos :))

jorgesteves disse...

A eternidade não coincide com o Tempo, diz-se.
Abraços
jorge

Patti disse...

Um enorme beijinho Justine, sei desde o início desse grande amor; querido Mounty!
Muitas saudades do meu (nosso) Blogobairro,

Justine disse...

Patti, que bom ler-te! Sim, saudades do nosso blogbairro, que agora quase nem bairro é...
manda-me um contacto para o mail justine.1947@hotmail.com e eu entro em contacto contigo.
Um abraço muito forte

Majo Dutra disse...

Lamento, MJ.
Abraço solidário.
~~~~