segunda-feira, 20 de julho de 2009

Périplo americano II - Rio de Janeiro familiar

Há várias maneiras de conhecer o Rio de Janeiro. Pode-se, preguiçosamente, comprar uma viagem organizada e deixar-se guiar; pode-se começar por mergulhar nas páginas de Ruy Castro ou de Garcia-Roza e depois descobrir lá que tudo o que eles dizem é a pura das verdades; ou pode-se ser guiada pela mão amiga, disponível e conhecedora dos "primos" emprestados (mas nem por isso menos próximos). Assim foi da primeira vez, assim desta. E com eles, o privilégio de fazer vida de habitante da cidade, nesta visita-relâmpago de 3 dias:


sentarmo-nos a tomar um chopp na esquina do Bar 20 em Ipanema, apreciando o movimento de uma banca de jogo do bicho. De costas, o apontador

almoçarmos arroz com feijão e carne de sol no Centro Cultural Carioca , com vista para o austero edifício do Real Gabinete Português de Leitura

visitarmos na Caixa Cultural, por indicação do "primo", uma elucidativa exposição de fotografia sobre os índios da tribo Yanomami, desconhecidos para mim. No bar da Caixa, com um magnífico "trompe l'oeil" ao fundo, esta cena irresistível

deambularmos sem rumo pelo centro (mas com passagem obrigatória pelo Sahara), sempre enamorada das elegantes fachadas coloniais, que exibem com dignidade a sua idade avançada
passearmos ao fim da tarde para além da Barra da Tijuca até Grumari, para mais uma vez recitarmos Drummond (No meio do caminho tinha uma pedra/tinha uma pedra no meio do caminho/tinha uma pedra/no meio do caminho tinha uma pedra./Nunca me esquecerei desse acontecimento/na vida de minhas retinas tão fatigadas./Nunca me esquecerei que no meio do caminho/tinha uma pedra/tinha uma pedra no meio do caminho/no meio do caminho tinha uma pedra)

assistirmos a um show de samba popular, de homenagem a Chico Buarque, que nesse dia completava a bela idade de 65 anos. E sambámos, e cantámos, e emocionámo-nos.

E por fim, quase a despedirmo-nos dos amigos e da cidade, o inesquecível pôr-do-sol num dos já poucos paraísos ao cimo da terra, ali para os lados de Niteroi.
.
Obrigada "primos", até sempre!
.
Vai passar - Chico Buarque

40 comentários:

M. disse...

Adorei! Transparece aqui a tua alegria de ver e sentir.

~pi disse...

maravilhoso, chico!! :)

grande reportagem

[ e os primos, sim, que todos temos por lá, lindo!!



beijo




~

Rosa dos Ventos disse...

Descrição de fazer crescer água na boca e música de nos pôr a sambar!
Ai que vida boa! :-))

Abraço

Paula Raposo disse...

Obrigada pela partilha, por sítios onde nunca estive. Beijinhos.

rosasiventos disse...

obrigada,

também eu me

en-canto, sim, justine :)



beijo

Maria disse...

É bom viajar contigo, aqui.
Trouxeste-me memórias do Recife (ah, o jogo do bicho) e uma vontade enorme de voar até ao Rio. Quem sabe...
(a carne de sol dispenso-a, o Chico não!!!)

Obrigada pela partilha.
Beijo

pinguim disse...

Dizem que é das cidades mais belas do mundo; apesar da apregoada perigosidade, é um sonho visitá-la um dia.
Obrigado pela tua partilha.

legivel disse...

... ah esta minha perna meia torta que me finta o requebro de anca...
Assim sendo, acompanhei o itinerário teu, ciceronado pelos teus primos e apenas interrompido por aquela pedra no meio do caminho, requebrando da cintura para cima.
As fotos estão óptimas mas outra coisa não seria de esperar, né?

Benó disse...

Ao som do samba fechei os olhos e recordei RJ.
Como foi boa a minha estadia lá....
Obrigada por ma lembrares.
Um abraço.

intimidades disse...

adoro a maneira como descreves os sitios que visitas fico com agua na boca a espera de mais


Jokas
Paula

MagyMay disse...

Os meus sentires quando te leio são sempre os mesmos. Não tenho outra hipótese que não seja repetir-me...
- Viajo contigo, onde nunca fui
- A melhor maneira de visitar "conhecendo" é sem dúvida fazer de "habitante".
- Viajar é um privilégio que tu tens... mas o significativo é a partilha que fazes com os outros, diria que, sublime.
E à laia de uma verdade dita com ligeireza, ao eu jeito:
...e como tu escreves bem, com método, simplicidade, enfim comunicas, pá!!!

Beijo Justine!!

Anónimo disse...

Eu não digo, terapia diária. Hoje fui ao Brasil. Comi, Bebi, li poema, lembrei o Chico e vi o pôr do Sol. Lindo. Beijos para ti e para o faz-de-dono.
Joana de E

GR disse...

Como sempre lindas fotos e belos textos, porém desta vez, o XICO.
Justine,
O XICO não tem 65 anos, não tem idade, ele é (sem querer exagerar) eterno.

Bjs,

GR

Fernando Samuel disse...

Dá gosto ir numa visita assim guiada...

Um beijo.

Duarte disse...

Com primos assim pode-se ir longe. Sim, tudo o que vistes e partilhastes é de visita obrigada, falta ver quando!
Deixei-me levar pelo essencial da crónica e até posso dizer que sei algo mais do Rio de Janeiro.

Um grande braço de boa amizade

Lúcia disse...

Justine:
Ora aí está o vá lá fora cá dentro! Bonitas reportagens. E, o post anterior sobre São Paulo - bem, só tu para me despertares vontade de lá ir:)

Pitanga Doce disse...

E não sentiste por aí um cheirinho a pitanga? Já pensaste que podemos ter nos cruzarmos sem sabermos uma da outra?

Tens que explicar aqui o porque do centro do Rio, onde há o comércio mais popular, chamar-se Saara.

boa noite Justine

vovó disse...

irresistível!
palavras para quê :)?!
continua...porque continuas a encantar-me (nos)!
beijocasssss

Fa menor disse...

Isso é que é!
Aquela rocha fez-me lembrar uma baleia... sei lá! vá-se lá saber porquê...

Já vi que foi em grande!

Boa semana

Bjs

mdsol disse...

Os primos são um privilégio muito grande mas que tu mereces inteiramente. Olha-me só quanta poesia, menina.
Que bommmmm. Só não me roo de inveja (da má sim, porque eu não sei o que é isso de inveja boa)porque, não tarda muito e lá vou eu...
beijinho
:))))

cristal disse...

E eu, que até consigo viajar aqui pelos teus dedos e pelos teus olhos, não posso tardar muito a voltar lá... Ai não não:)))

Mar Arável disse...

E outras tantas por vijar

até pelas favelas

inesquecíveis

com gente linda

Juani disse...

realmente disfrutastes de tu viaje
me alegro
saluditos

Licínia Quitério disse...

Oh! "Tinha uma pedra...". E agora já "vi" a pedra. Que bom!

Obrigada. Beijinhos.

busillis disse...

Olá,voltei!

Tenho muito que ler e ver, por agora só venho ver se foram felizes e estou a ver que nesta casa está tudo bem. Tudo de vento em popa!

Abraços

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Em Niteroi mora boa parte da minha família que vive no Rio...

goiaba disse...

Mais uma vez obrigada pelos "apontamentos" de quem olha e vê. Volto amanhã.
Abraço

Augusto Carioca disse...

Ficou por registrar, mas basta fechar os olhos e imaginar a cena real, colhida próximo ao Centro Cultural Carioca. No andar térreo, uma aula de dança. Na calçada fronteiriça, o homem do casal puxa a dama ao encontro do seu peito. Dançam por poucos segundos, mas entregam-se nesse gesto à cidade mais linda (sim, ela resiste!) do mundo.

Augusto Carioca disse...

As fotos são lindas, os autores já podem promover a apresentação de um ensaio sobre o Rio. Falo sério! Quem não gostaria de viajar por estas fotos (e outras, as há, eu sei!), mesmo sem sair de sua terra, ou do seu quintal. Vá, experimente expô-las por aí, servindo no final uma rápida degustação de chás...ou (melhor!?)uma dose (às gotas)de Nega Fulô (se é que ainda sobrevive...). Beijos!

Justine disse...

Ah, Augusto Carioca, tocaste delicadamente no momento mágico dessa nossa visita. Mas pensando melhor, houve outros - muitos -momentos mágicos
(e a Nega Fulô também ainda resiste)
Beijo

Justine disse...

Por sugestão da Pitanga e com ajuda do Augusto Carioca (sim, que a minha cabeça...enfim!), aqui vai: SAARA - Sociedade de Amigos e Adjacências da Rua da Alfândeja.
Site: www.saara-rj.com.br
E não devia ser permitido a nenhum visitante sair do Rio sem um "banho" de Saara!

Eyes wide open disse...

É uma viagem que tem sido adiada... mas fiquei ainda com mais vontade de lá ir.

*

(este ritmo é contagiante...)

anamar disse...

È preciso voltar, Justine!
3 dias é pouco...
Em Agosto láestarei de novo...
Abracinho:))

Carla disse...

continua a ser um prazer acompanhar este teu périplo
beijo e obrigada

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Justine, bela visita...Espectacular....
Beijos

dona tela disse...

Tivese eu primos desses...

tinta permanente disse...

O fascínio deve ser diferente, embora me pareça que não. 'Seu' Cabral gostou logo que viu. E daí nunca mais gente parou de gostar, né?...

abraços!
www.tintapermanente.com

poetaeusou . . . disse...

*
e o Rio de Janeiro,
continua lindo . . .
,
conchinhas,
,
*

com senso disse...

Foi excelente ler este relato sobre a visita à cidade, que para mim, lisboeta de gema, é a MAIS BELA DO MUNDO!

Arabica disse...

Emprestas-me os primos se um dia for lá? :))

Muito bons momentos nos dás a conhecer!

Post a post :))