sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Ternura

Acabei de reler o Meu Pé de Laranja Lima. Estava mesmo a precisar.
E em jeito de partilha, deixo para todos vós o copo da Professora Cecília cheínho de rosas da imaginação. Das que nunca murcham.
Obrigada, Zézé (Mauro), pela ternura.
.
Tenderly, Bill Evans

24 comentários:

Patti disse...

O responsável pela minha paixão pela leitura. Revejo-em muito na sua forma de expressão.
E a "Rosinha Minha Canoa"? Magnífico livro, também.

Paula Raposo disse...

Essas rosas são as mais belas!! Muitos beijos e um óptimo fim de semana.

Rosa dos Ventos disse...

Um livro a reler sempre! :-))
Também foi em tempos idos obra de leitura completa obrigatória, creio que no 7º ano de escolaridade.
Graças a isso há tanta gente a conhecer esta obra e a continuar a deliciar-se com ela!

Abraço

.POTT disse...

Já lá vai tanto tempo que o li...
Na época fiquei fascinado,hoje já nem lembro da história...
de qualquer forma lembro-me que era muito bonito...
um beijo

POTT

Pitanga Doce disse...

Até quem não está a precisar de ler, "precisa" ler o Meu Pé de Laranja Lima.

boa tarde Justine

pinguim disse...

É depois de "O Principezinho", o livro que mais vezes reli...
Beijinho.

MagyMay disse...

E será que eu também não estou mesmo a precisar de o reler?

E uma mão cheeinha de rosas que nunca murcham para ti, Justine (fiquei com a minha parte das rosas da imaginação)

Anónimo disse...

Como diz a Rosa,o livro de Mauro de Vasconcelos foi lido e estudado pelos alunos do 7º Ano.Penso que cada professor o agarrou ao colo e o fez afagar pelos alunos,já que muitas vezes o livro da aula fica na prateleira dos odiados.Quem poderia destratar tanta ternura?
Kincas

salvoconduto disse...

Ternura é mesmo aquela máquina de escrever ao lado do copo. Ter uma ainda hoje é mesmo ternura.

Foi a música que me fez reparar nela.

~pi disse...

lindo, justine, o outono é a minha época e relar certos livros.

[ também esse, semente de pura ternura




beijo por lembrares*





~

anamar disse...

Boa lembrança, Justine...
Um destes dias vou procurar o meu.
Ternura para o fds
:))

Lilá(s) disse...

Que agradável surpresa! sabes que foi o livro que mais me fascinou aos meus 16 anos,quando o trabalhei na aula de português? a partir daí ficou a minha paixão pelo jacarandá...e pelo livro claro.
Beijinhos e obrigada pela surpresa

Dulce Braga disse...

Boa ideia para este final de semana prolongado nestas terras tupiniquins.:)

Violeta disse...

Acho que foi o livro que mais me fez chorar. Li-o há muitos anos, ainda vivia na casa dos meus pais.

Belisa disse...

Olá
Beijinhos estrelados com muita "Ternura". Adorei também as suas "Ruralidades".

mdsol disse...

Balhamedeus que tenho andado tão arredia. Eu é que perco. Bem sei.

Beijinhos para todos e (não leves a mal) uma festinha especial para o Mounty eheheh
:))))

mfc disse...

Há evocações que nos enternecem sempre.

jawaa disse...

Pois muito obrigada. A ti e ao Zezé, o meu menino de encanto (só a capa do meu não é igual). Sabes que leio ainda muitas vezes a Rosinha e já a pus, salvo erro mais do que uma vez, a abrir posts...?
Um abraço

Teresa Durães disse...

um livro bem bonito!

Fernando Samuel disse...

Há livros que se instalam na nossa memória e lá ficam...

Um beijo.

Anónimo disse...

li este livro tinha vinte anos , chorei , é muito comovente ...
Ah , se pudesse voltar ... , a esse tempo , a esse livro ...
Mas, o tempo ?

Abraço
_________ JRMARTO

.POTT disse...

Obrigado pela visita.
Quanto ao gato,acabou de me fazer uma grande porcaria no meu escritóio.
Penso tratar-se de uma represália por lhe ter chamado parvo...

Cry me a river também é uma das minhas músicas.....

Beijo

Pott

Lúcia disse...

:)
Que boa lembrança!

Turmalina disse...

Sou fã de Mauro..acredito até que ter lido "O Veleiro de Cristal" quando ainda bem menina, funcionou como um divisor de águas e preparou meu olhar para o mundo :o)