domingo, 13 de novembro de 2011

Gota de Água

Eu, quando choro,
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo o tempo sofreu.
As lágrimas são as minhas
mas o choro não é meu.
.
(Gota de Água in Obra Poética, António Gedeão)
.
All Blues, Chet Baker

32 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Mais uma vez o Professor, o Cientista,o Poeta, o Homem preocupado com o social e a música com que ilustras o "post".
Um bom começo de domingo.

Um beijo.

Zé-Viajante disse...

Que belo, todo o post.

Bom Domingo (mesmo chuvoso)

pinguim disse...

Já tinha saudades tuas e do António Gedeão...

as-nunes disse...

Mesmo a condizer com o tempo que faz...agora mesmo.

Há minutos tirei várias fotos com o tempo a prever borrasca!

Boa música, cá a deixei a tocar em fundo, entretanto a chuva a cair a potes, trovoada, algum granizo, o horizonte em frente do nariz, não se vê mais para além...

Abraço

Benó disse...

Vim visitar-te e vou tentar que o testemunho da minha visita fique aqui pois, com alguma estética deixei a minha opinião no post anterior mas, sem nenhuma ética o blogger "comeu-a".
Esse poema do Gedeão vem mesmo a propósito. E hoje que está um dia bem cinzento. Mas enxuguemos as lágrimas que o sol nasce todos os dias e para nós.É verdade, às vezes não parece.
Boa semana, Justine

mfc disse...

Ele tinha a humanidade dentro dele!

O Puma disse...

Belíssimo

Bjs

Licínia Quitério disse...

Uma pérola. Ou duas. Ou três. O poema, a foto, a música.

"All blues"

trepadeira disse...

Delícia de música.
O poema,que dizer,já só choro de raiva.

Um abraço,
mário

Sara disse...

São gotas de generosidade e humanidade merecedoras de cuidadosa preservação, tal a sua raridade. [hoje vejo o copo meio vazio, sorry :(]
Belíssima fotografia e belíssima música! [copo meio cheio por uns instantes :)]
Beijinho e boa semana!

lino disse...

Sempre belíssimos, os poemas do cientista poeta!
Beijinhos

Maria disse...

Belíssima gota de água que se transforma em lágrima
de um choro nosso!

Abraço.

Fernando Samuel disse...

Como este Gedeão sabia (sabe) dizer as coisas essenciais!...

Um beijo.

jrd disse...

Somos muitos a chorar como o poeta.

Obrigado pelas tuas palavras no bth.

Rosa dos Ventos disse...

Como António Gedeão sabe dizer tão poeticamente aquilo que também sentimos!

Abraço

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Muito oportuna esta recordação de Gedeão, Justine.

bettips disse...

O choro é de todos nós, injustiçados.
E nada chega ao algodão macio das palavras dos poetas que nos consolam.
A foto é primorosa, J.!
Bjs

Pitanga Doce disse...

Quando choro, as lágrimas e a dor são minhas. De mais ninguém. E só eu sei.

Boa noite Justine.

Lilá(s) disse...

Belissíma escolha os poemas de Gedeão são uma preciosidade.
Bjs

Se(nti)r o outro disse...

Disse o poeta!
Em qualquer país, em qualquer lugar, sentirei a fome no corpo do outro. Disse outro poeta.
destes, dos nossos.

Teresa Durães disse...

Olá! Tenho um convite no meu blog!

M disse...

Tão triste este teu post no seu conjunto dos três elementos sentidos, e ao mesmo tempo tão bonito.

A Prima disse...

... ou não carregue o Eu (o ele, o nós)milhões de anos de histórias...

Lágrimas, como rios, como laços.

Abraço com laço

anamar disse...

Belo, Justine...
Abracinho

~pi disse...

all blues

re(b)el a ndo infinitas lágrimas



beijo ~







~

GR disse...

Escolhes sempre as mais belas palavras e ilustras com as mais lindas imagens.

BJS,

GR

R. disse...

Sempre irrepreensível, o António Gedeão. Um choro individual, que é afinal colectivo, e que tão bem exprime tanto... "Irrepreensível" é também um qualificativo que se aplica na perfeição às tuas "composições" :)

Um forte abraço!

PS: o título "gota de água", lembra-me sempre um outro de Gedeão: "lágrima de preta". Uma candura!

São disse...

Foi muito bom encontrar aqui Gedeão.

Um abraço.

BlueShell disse...

Foi um prazer vir aqui, ler e ouvir...
Obrigada,
BS

Duarte disse...

Andei dum lado par ao outro que nem dei por isso... agradeço... orgulhoso... sinto-o!
Um abraço.... grande

M. disse...

Na universalidade nos apoiamos e acompanhamos. Lindíssimo este poema.

sandrafofinha disse...

Muito lindas estas palavrinhas querida Justine!! Um grande beijinho para ti e nunca sejas infeliz,nunca cries em ti lagrimas de infelicidade. Que sejas feliz sempre e para sempre!! fica bem querida.