quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Protesto - III

 
 
Antes que seja tarde
 
 
Amigo,
tu que choras uma angústia qualquer
e falas de coisas mansas como o luar
e paradas
como as águas de um lago adormecido,
acorda!
Deixa de vez
as margens do regato solitário
onde te miras
como se fosses a tua namorada.
Abandona o jardim sem flores
desse país inventado
onde és o único habitante.
Deixa os desejos sem rumo
de barco ao deus-dará
e esse ar de renúncia
às coisas do mundo.
Acorda, amigo,
liberta-te dessa paz podre de milagre
que existe
apenas na tua imaginação.
Abre os olhos e olha
abre os braços e luta!
Amigo,
antes da morte vir
nasce de vez para a vida.
 
(Manuel da Fonseca)
 
 
Something I dreamed last night, Miles Davies
 

 


19 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

A minha jornada de luta começa logo às 00:00H.

Maria disse...

Este poema do Manuel da Fonseca é qualquer coisa... tão cheio de ternura...

Beijo.

Rosa dos Ventos disse...

Belo poema com o Pico ao fundo!

Abraço

jrd disse...

Da enorme sabedoria do Poeta.
:)

lino disse...

Bem a propósito!
Beijinho

trepadeira disse...

"Antes que seja tarde" demais.
Lindo,o Miles Davies também e tão apropriado.

Um abraço,
mário

Lilá(s) disse...

O poeta sabe!
Bjs

greentea disse...

pois ...é preciso ter os olhos bem abertos - cada dia mais e mais- e não nos deixarmos enlear na paz podre. é preciso ir à luta!

samuel disse...

Este faz parte do "elenco" do recital que ando a fazer, dedicado ao Manuel da Fonseca.

Muito bom!

Beijo.

Graciete Rietsch disse...

Este poema tem uma enorme força e contagia-nos. A tua música também ajuda. LINDO,LINDO e FORTE.

Um beijo.

João Roque disse...

Apropriado, claro. O Pico ajuda e a música...celestial.

Duarte disse...

Foi ao acordar que surgiu o dilema...
Gosto.
Continua sendo feliz.
Um abraço bem grande, querida amiga.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Excelente música e belas palavras. Acabei de ver uma reportagem sobe a Islândia na RTP 1. Eles acordaram a tempo e safaram-se!

São disse...

Gostei do poema, que desconhecia-

Mas tive o grande prazer de conhecer pessoalmente Manuel da Fonseca, que era -principalmente - um contador de estórias fascinante!

Conheço também o Pico e a montanha ofereceu-me uma experiência das mais marcantes da minha vida.

Bons sonhos.

com os meus protestos... disse...

Os protestos somam-se na tabuada romana ou noutra qualquer. Em poemas como este ou em música como esta.
Com as tuas esoolhas.
Contigo! Até ao Pico... mas não visto do Faial.

mariam disse...

Adorei os teus 'protestos' acompanhados desta música!

Beijinhos e saudades :)

mariam

as-nunes disse...

Sem dúvida, há que combater o comodismo de deixarmos que os outros (Os que votámos para nos governar)e irmos à luta pela defesa do nosso direito à vida.

Antes que seja tarde!

O Profeta disse...

Sopram ventos de melancolia
Transparente é o cinza que a tua alma encerra

A minha pobreza é a falta de um par de asas
Encontrei um lugar de reinvenção das sombras
Pensei virar as costas ao tempo e ao deslumbramento
E aí houve estranhamente o amanhecer das minhas palavras

E passei para te deixar


Um mágico beijo

Mar Arável disse...

Saudades pessoais do nosso Manel