quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Protesto - III

 
 
Antes que seja tarde
 
 
Amigo,
tu que choras uma angústia qualquer
e falas de coisas mansas como o luar
e paradas
como as águas de um lago adormecido,
acorda!
Deixa de vez
as margens do regato solitário
onde te miras
como se fosses a tua namorada.
Abandona o jardim sem flores
desse país inventado
onde és o único habitante.
Deixa os desejos sem rumo
de barco ao deus-dará
e esse ar de renúncia
às coisas do mundo.
Acorda, amigo,
liberta-te dessa paz podre de milagre
que existe
apenas na tua imaginação.
Abre os olhos e olha
abre os braços e luta!
Amigo,
antes da morte vir
nasce de vez para a vida.
 
(Manuel da Fonseca)
 
 
Something I dreamed last night, Miles Davies
 

 


19 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

A minha jornada de luta começa logo às 00:00H.

Maria disse...

Este poema do Manuel da Fonseca é qualquer coisa... tão cheio de ternura...

Beijo.

Rosa dos Ventos disse...

Belo poema com o Pico ao fundo!

Abraço

jrd disse...

Da enorme sabedoria do Poeta.
:)

lino disse...

Bem a propósito!
Beijinho

trepadeira disse...

"Antes que seja tarde" demais.
Lindo,o Miles Davies também e tão apropriado.

Um abraço,
mário

Lilá(s) disse...

O poeta sabe!
Bjs

greentea disse...

pois ...é preciso ter os olhos bem abertos - cada dia mais e mais- e não nos deixarmos enlear na paz podre. é preciso ir à luta!

samuel disse...

Este faz parte do "elenco" do recital que ando a fazer, dedicado ao Manuel da Fonseca.

Muito bom!

Beijo.

Graciete Rietsch disse...

Este poema tem uma enorme força e contagia-nos. A tua música também ajuda. LINDO,LINDO e FORTE.

Um beijo.

João Roque disse...

Apropriado, claro. O Pico ajuda e a música...celestial.

Duarte disse...

Foi ao acordar que surgiu o dilema...
Gosto.
Continua sendo feliz.
Um abraço bem grande, querida amiga.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Excelente música e belas palavras. Acabei de ver uma reportagem sobe a Islândia na RTP 1. Eles acordaram a tempo e safaram-se!

São disse...

Gostei do poema, que desconhecia-

Mas tive o grande prazer de conhecer pessoalmente Manuel da Fonseca, que era -principalmente - um contador de estórias fascinante!

Conheço também o Pico e a montanha ofereceu-me uma experiência das mais marcantes da minha vida.

Bons sonhos.

com os meus protestos... disse...

Os protestos somam-se na tabuada romana ou noutra qualquer. Em poemas como este ou em música como esta.
Com as tuas esoolhas.
Contigo! Até ao Pico... mas não visto do Faial.

mariam [Maria Martins] disse...

Adorei os teus 'protestos' acompanhados desta música!

Beijinhos e saudades :)

mariam

a d´almeida nunes disse...

Sem dúvida, há que combater o comodismo de deixarmos que os outros (Os que votámos para nos governar)e irmos à luta pela defesa do nosso direito à vida.

Antes que seja tarde!

O Profeta disse...

Sopram ventos de melancolia
Transparente é o cinza que a tua alma encerra

A minha pobreza é a falta de um par de asas
Encontrei um lugar de reinvenção das sombras
Pensei virar as costas ao tempo e ao deslumbramento
E aí houve estranhamente o amanhecer das minhas palavras

E passei para te deixar


Um mágico beijo

Mar Arável disse...

Saudades pessoais do nosso Manel