domingo, 18 de janeiro de 2015

Ilha do Maio - as árvores


Fornecem importante suplemento da dieta familiar


Contribuem para a economia , deixando-se transformar em carvão


E são muitas vezes obras de arte, esculpidas pelos ventos
 

São as árvores do Maio!

.

Luís Morais, 1996


17 comentários:

São disse...

As fotos estão muito bem e gostei imenso também do fundo musical.

Logo que possa regressarei a Cabo Verde, embora o meu sonho de conhecer o Fogo se tenha desvanecido face à tragédia ocorrida.

Boa semana que vem :)

Luis Filipe Gomes disse...

O que haverá do vento que sobre ainda em árvores que as cabras não comam. Que haverá ainda da água doce que não seja sal. O que haverá ainda de Maio que nas areias negras ainda Verde seja.

lino disse...

Lindas fotos!
Beijinho

jrd disse...

A simbiose perfeita entre a música, as imagens e as palavras.

Clarice disse...

Uau! Que paisagem é essa? Belas fotos. Gostei muito da resistência dessa árvore inclinada. Sabe como é: a gente se dobra para não quebrar, não é?
O que é o Maio? Alguma coisa entre deserto do Atacama e floresta tropical?
Maravilha é conseguir nesse terreno frutas e flores.
Conta mais.
Abraço.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Só conheço a Boavista ( minha paixão) S. Vicente, Sal e Fogo. Gostei de conhecer Maio através da tua objectiva. Obrigado
Beijinho

Mar Arável disse...

Árvores que resistem com vida no deserto
das belas ilhas

Vieira Calado disse...

Linda são certas árvores!
Perco-me o olha-las!

Saudações poéticas!

Isabel Lourenço disse...

belas fotos e acompanhamento musical a puxar o pésinho!

greentea disse...

Africa Minha!!
Tenho prometida uma viagem a S. Tomé e Principe, logo que a minha saude esteja recuperada e onde há muito espero ir. O meu pai viveu lá alguns anos e dizia que era maravilhoso. Em Cabo Verde nunca estive . Mas África deslumbra sempre !

Lilá(s) disse...

São lindas! pena que não conheço...
Bjs

Duarte disse...

Beleza ao natural, coisas que nos dá a natureza!
En El Saler, vais ver fenómenos como este, onde o vento atiça sem parar, e na mesma direcção, mas que se traduzem em beleza.
Um abraço bem grande

Rui Fernandes disse...

Agradeço os gentis comentários. Estarei noutro sítio por impossibilidade de aceder ao meu blogue:

http://tremontelo.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

Desde a arte da mão feminina aos pássaros soltos, chego a Maio (ilha e mês)e à subsistência. De pequenas coisas se vai fazendo o mundo, o nosso, o deles.
Gosto tanto de Maio como das glicínias. Gosto tanto das terras como das pedras.
Um dia verei, desfiados os meses mais suaves. Bj da bettips

João Roque disse...

Um destino sempre adiado, mas nunca esquecido - Cabo Verde.

anamar disse...

Em CV?

Sonho meu...

Beijos e tudo de bom.

M. disse...

Imagens muito belas, cores de amaciar o olhar.