domingo, 31 de julho de 2011

A velha Casa em Ruínas

Quantos amores, nascidos no silêncio destas paredes, sobreviveram ao passar dos tempos?
Onde estão as crianças que brincaram nestes corredores mais longos que a mais longa estrada?
Que é feito dos sonhos das mulheres e homens que, diante destas janelas escancaradas, decidiram mudar o mundo?

Não há estorvo para a imaginação quando interrogo a velha casa...

.
In a sentimental mood, Sonny Rollins and The Modern Jazz Quartet

28 comentários:

Clarice disse...

Sempre vejo com tristeza uma casa em ruínas. Confesso que dói cada vez que penso na casa onde cresci, que foi derrubada para dar lugar a um supermercado. Em lugar nenhum do mundo encontarei a minha casa, pois era aquela.
Muito intensas suas palavras a cada imagem.
Abração.

GR disse...

Belíssimas fotografias.
Deste vida à casa, com a tua presença.
Talvez até tenhas acordado suavemente os fantasmas (agora felizes), só eles podem responder às tuas interrogações.

BJS,

GR

jrd disse...

Belíssima sequência.
Como seria bom saber das respostas...
abraço

Maria disse...

Não tenho respostas para as tuas perguntas. Também sei que não as queres de mim. Penso na casa-mãe e sinto uma certa nostalgia...

bettips disse...

Tantas
as gentes em ruínas
distribuindo um mal que nos sufoca o olhar.
Tantas.
E sabes como dói.
E falo de "gentes em ruínas" porque há sempre uma história de ganância, estupidez, laxismo, maldade,
em cada casa abandonada. Acho.
Bj da bettips

JPD disse...

A vida das pessoas dá imensas voltas.
De entre todos que partiram dessa casa, cada qual a seu tempo, no seu tempo, quantos deixaram de prometer a si próprios que voltariam para que o património fosse preservado?
Quase todos, ou todos, seguramente.
Mas às vezes o desejos não se cumprem. Por mil e uma razões...

Bjs

trepadeira disse...

Pode ser renasça,quando renascer o país.

Nessa altura voltará a vida com algumas respostas.

Um abraço,
mário

em revisita à velha casa disse...

Quantos amores?, onde as crianças?, que é feito dos sonhos? Quando interrogas uma velha casa, não encontras estorvo para a imaginação.
Mas tu não procuras respostas. Imaginas e fazes imaginar amores, vês e fazes ver crianças brincar nos corredores, refazes teus e nossos sonhos.
Inspiras-te, naturalmente, na visita a uma velha casa. Visita que reconstituis ao som do Modern Jazz Quartet. É bom passar por aqui e ficar saboreando com os olhos e os ouvidos.

lino disse...

Pena que a velha casa não dê respostas.
Beijinho

mfc disse...

E podíamos indefinidamente continuar a perguntar-lhe sobre os sorrisos e amarguras que ela encerra!
Lindo post.

Graciete Rietsch disse...

É interessante que eu também costume interrogar-me sobre as pessoas que viveram em casas com que me deparo, nos meus passeios,sejam em ruinas ou simplesmente antigas. Quem foram, como foram, quantas alegrias e tristezas por ali passaram!!!!
Não sei porquê mas esses pensamentos surgem-me sempre.
E a tua música, desta vez, trouxe-me a nostalgia de algo que eu, decerto, nem vivi.
Como sempre considero este teu "post" tão belo e emocionante como os anteriores.

Um beijo.

Aurora disse...

Ah! se ela falasse...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Das coisas que relamente me deprimem é ver uma csa em ruínas. Que histórias estarão por desvendar que justifiquem a degradação e o abandono?

Lilá(s) disse...

Que linda ela ficaria restaurada!
Bjs

O Puma disse...

... uma vez mais

nem às paredes ...

salvoconduto disse...

Quase que me apetecia restaurá-la aqui no Photoshop, não daria era para restaurar as possíveis lembranças. Fica como está, a única coisa que consigo imaginar era o Sonny Rollins com o sax naquele alpendre, juro que ficava a matar com o Milt Jackson no vibrafone mais o retenir dos copos quando lhe deitavam uma pedras de gelo ou a brindar pelos amigos...

Pitanga Doce disse...

Temos o mesmo "defeito". Ficamos imaginando as histórias de vida que foram escritas em antigas construções. Mesmo que não estejam em ruínas.

Boa noite Justine.

viajante disse...

As velhas casas em ruínas que existem por esse Portugal fora.
Mais do que nunca, necessária a Reabilitação. O repovoamente destes espaços, destas terras, destas vidas. A nossa seiva.
Um Portugal diferente.
Mais Verdadeiro!

vovó disse...

conheço também e muito bem, uma casa assim... quase em ruínas e cheia de "vidas"...

"uc hugssssss"
vovómaria

Rosa dos Ventos disse...

Pudesse a casa responder-te...se calhar não daria as melhores notícias...ou talvez desse!
Dói ver uma casa a desmoronar-se com tanta memória dentro!

Abraço

pinguim disse...

Não há casa nenhuma destas que não tenha segredos...

Há.dias.assim disse...

Gosto de inventar histórias...a casa inspira-nos

M. disse...

Quando as vejo deixam-me sempre com um nó na garganta. Às vezes é tão triste a memória.

Fernando Samuel disse...

«As casas velhas são como as pessoas velhas: estão cheias de recordações»...

Um beijo.

intimidades disse...

se as casas pudessem falar

Bjinhos
Paula

al disse...

Excelentes fotos, muito valorizadas pelo texto que as acompanha.
Abraço

hebdomadarius disse...

Decididamente triste. E ainda uma bela casa.

carol disse...

Faz-me tanta pena ver as casas assim abandonadas! Quantos sonhos, quantas alegrias, quantos desesperos eas viram e depois acabam assim.

Mas também me atraem, não sei dier porquê.