terça-feira, 16 de outubro de 2007

Olhai as pervincas do campo...

Num canto do jardim onde ninguém planta nada nas tudo vai nascendo, este sorriso primaveril a imiscuir-se num outono feito de suavidades e cores quentes

8 comentários:

soutaria disse...

Olhai esta prosa plantada no meio do que nasce natural, e que natural floresce, a imiscuir-se, suave e quente, no outono do nosso encantamento (ou será o encantamento deste nosso outono?!)

Maria disse...

Esse sorriso primaveril de azul vestido é amor.
Dizem que o amor é azul. Por mim pode ser.
Mas também é vermelho, sangue e vida...

Beijo neste outono com cheiro a verão, ainda...

Justine disse...

Soutaria, bela paráfrase da minha prosa...

Maria, acho que o amor é uma miríade de arco-íris!
Beijo

TINTA PERMANENTE disse...

Talvez como quem diz, apropriando-se... a Primavera é sempre que uma pervinca quiser...
Abraço.

p.s. - a propósito do 'moita calado', posso pedir-te que voltes lá?!... Obrigado! :)

Rosa dos Ventos disse...

Mas tu sabes o nome de TODAS as flores?!!
Conheço estas mas não sabia como se chamavam!
Lindas...

Abraço

justine disse...

Rosa, não, não sei o nome de todas as flores, mas tenho uma curiosidade enorme por tudo o que é belo e vou lendo...e como as plantas ne fascinam também fiz, há uns tempo, um pequeno curso de jardinagem no Jardim do Palácio da Ajuda, que foi muito interessante.
Agora já sabes o que é o "azul pervinca"!

Rosa dos Ventos disse...

Realmente o azul tem destas coisas!
Há azuis para todos os gostos.
Eu gosto de azul pervinca! ;-))

Justine disse...

T.P.: mas, como mais ou menos diz o outro(ou ao contrário do que diz o outro), também não é uma pervinca que faz a Primavera...

Obrigada pela história do "moita carrasco"