sexta-feira, 25 de julho de 2008

Árvore sobre varão em cidade única

Abraço ou sobrevivência? Abraço de sobrevivência? Um varão pode ser sobrevivência?

Ou apenas um pormenor algo inquietante numa rua da cidade das surpresas...

40 comentários:

Maria disse...

Um abraço parece ser...
A cidade dos canais surpreende-nos sempre...

Beijo

samuel disse...

Entra definitivamente para a galeria dos "varões assinalados"!
-Não tem que enganar, menina. Anda p'rái 100 metros e é o que tem a árvore abraçada.

daniel disse...

Justine

Se não inquieta, também não me parece tranquilizante. A imagem, vista assim, não me parece sauve.
Daniel

surpreendido disse...

O que há é "varões" sobreviventes. Mas, neste caso, a árvore é que é sobrevivente, ali agarradinha ao varão...
Honni soit!
Mas que est´bem caçado, está.

observador atento disse...

Tudo bem...
Mas vamos lá a ser racionais:
1. o varão da vedação estava lá (só pode);
2. veio uma sementinha e cai no escasso chão onde germinou (que pontaria de queda ou de atiranço);
3. a sementinha fez-se caule e tronco e por aí acima (para baixo são raizes);
4. o caule veio-se fortalecendo e encostando à vedação, pedindo apoio contra o vento da esquerda (de quem está voltado para o prédio);
5. antes de continuar a crescer, já tronco, enrolou-se um bocado (no varão) e continuou a subida até onde não se vislumbra;
6. vieram os visitantes, surpreenderam-se e, como tinham "mánica de guardar surpresas", clique (já está);
7. a justine catapruz... post!
Ainda bem, parabéns... e boa continuação.

baralhado disse...

Estou baralhado ou o post anterior tinha o título de "varão maduro"?

com senso disse...

Donde se prova que a natureza procura também os seus apoios.... Ou, digamos até de forma mais poética, os seus afectos? O mundo vegetal ainda vive rodeado de mistério: Mas vive... vive...

com senso disse...

Donde se prova que a natureza procura também os seus apoios.... Ou, digamos até de forma mais poética, os seus afectos? O mundo vegetal ainda vive rodeado de mistério: Mas vive... vive...

Duarte disse...

Tudo é possível, querida Justine, quando estamos ante a natureza. O mundo vegetal oferece-nos, frequentemente, este tipo de curiosidades. Neste caso é aquele ponto de apoio, como dizia Arquimedes, aqui para agarra-se, ao lugar elegido, para uma maior comodidade... ou é que gostou do sito!

Um grande abraço

Paradoxos disse...

Varamos lá nós perceber os varões que vivem sobre ou sobre vivem assim... Curiosamente, inédito!
:-)

jasmimdomeuquintal disse...

Os Caminhos Desapareceram da Alma Humana

Caminho: faixa de terra sobre a qual se anda a pé. A estrada distingue-se do caminho não só por ser percorrida de automóvel, mas também por ser uma simples linha ligando um ponto a outro. A estrada não tem em si própria qualquer sentido; só têm sentido os dois pontos que ela liga. O caminho é uma homenagem ao espaço. Cada trecho do caminho é em si próprio dotado de um sentido e convida-nos a uma pausa. A estrada é uma desvalorização triunfal do espaço, que hoje não passa de um entrave aos movimentos do homem, de uma perda de tempo.
Antes ainda de desaparecerem da paisagem, os caminhos desapareceram da alma humana: o homem já não sente o desejo de caminhar e de extrair disso um prazer. E também a sua vida ele já não vê como um caminho, mas como uma estrada: como uma linha conduzindo de uma etapa à seguinte, do posto de capitão ao posto de general, do estatuto de esposa ao estatuto de viúva. O tempo de viver reduziu-se a um simples obstáculo que é preciso ultrapassar a uma velocidade sempre crescente.

Milan Kundera, in "A Imortalidade"
Bjocas
Voltarei em breve.

mdsol disse...

Esta fotografia é muito interpelante! Mundos diferentes a colaborarem e a viverem juntos e sei lá....uma boa metáfora para a conveniência humana!

~pi disse...

magnífico de impossibilidade:

abraÇada :)


~

BlueVelvet disse...

É o que se chama o instinto de sobrevivência.
Soberbo!
E em que cidade é que se deram ao trabalho de poupar a árvore?
Beijinhos e bom fim-de-semana

Fernando Samuel disse...

Surpreendente!!! (tudo)

Um beijo amigo.

Sal disse...

Giríssimo. Estás sempre atenta ao mundo que te rodeia. E ainda bem para os visitantes do teu blogue. Deliciam-se com as tuas belas fotos.

beijinho

Cadinho RoCo disse...

Pode ser o que for, mas que ficou bonito ficou.
Cadinho RoCo

bettips disse...

A saudade. Do que nem conheço.
É o que gosto nesta sobrevivência ferro/madeira, com amores perfeitos por companhia.
A cidade onde se deixa o coração flutuar.
Bj

poesianopopular disse...

Minha amiga
Que as àrvores, morriam de pé eu já sabia:-agora que se sentavam em varões, essa é novidade para mim, em todo o caso fico grato pela informação!
Abraço

Pitanga Doce disse...

A Natureza manda! O varão que chegue pra lá. hehe

M. disse...

A mim parece-me mais uma barriga de varão pousada sobre varão em descanso de passeio. :-)

heretico disse...

talvez a atracção dos contrários. levada ao extremo...

(o que prova não haver abraços impossíveis...)

gostei muito.

beijo

Anónimo disse...

Querida Justine :)!

não tenho estudos par filosofar sobre o assunto :)...
mas que é lindo, é! e que eu gostava bem mais de estar nessa cidade das surpresas, do que estar nesta das evidências...
beijocasssss
vovó Maria

Anónimo disse...

Apesar de se dizer que as árvores tèm raizes na terra, náo faz mal pedir ajuda a um varão amigo.

Foto com uma estranha ternura. Um abraço, natural, entre a madeira e o ferro. Respeito mútuo.

Beijos saudosos de um dia depois.

Campaniça

Rosa dos Ventos disse...

Quis brincar com os varões assinalados, mas o Samuel já se tinha antecipado.
Essa é também a cidade dos prodígios!
Todo e qualquer abraço é de sobrevivência, mas este aqui retratado é particularmente poético!
Estive dois dias sem net por isso necessitei de muitos abraços... :-))

Abraço (é assim que eu termino todos os meus comentários)

TINTA PERMANENTE disse...

Será preciso rever alguns conceitos da Botânica?!...
Parece que sim...

Abraços!

Tinta Azul disse...

Estranhas relações de simbiose entre seres e objectos...

mena m. disse...

A natureza é sempre capaz de uma boa surpresa!

Pergunto se será paixão, pois fez-me lembrar o cisne que se apaixonou por um barco a pedais em forma de cisne na Alemanha...

L * E disse...

Inquietante mesmo...

um abraço.

Chat Gris disse...

que giro... e que bom seria afiar as unhas lá...

nuno leite disse...

Sei bem onde esta este forte abraco!
Estou sempre contigo, abracando-te muito forte tambem...

Licínia Quitério disse...

foi a árvore que pediu? foi o varão que ofereceu? há ligações que pareceriam improváveis. e cidades também.

beijinho.

Lúcia disse...

Olha que sorte - não terem arrancado a árvore para fazer o varão.

Beijinhos

Carla disse...

uma surpresa em forma de abraço...lindo!
beijos

Fa menor disse...

Demorei-me a observar... seria realidade ou ficção? Uma árvore (de)pendente de um varão...

Bjs

JPD disse...

Uma foto admirável.

dona tela disse...

Assim é que eu gosto. Bons programas.

As minhas cordiais saudações.

Mar Arável disse...

Há cidades com árvores inexplicáveis
apoiadas ou em luta
nem que seja com um varão

mariam disse...

a natureza surpreende-nos...grande foto!

tenho uma foto tirada a um eucalipto em que no seu velho tronco torto nasceu e cresceu um pinheiro, já não existem, um grande incêndio já os consumiu (tirada na serra do Moradal na Beira Baixa- creio ser a maior mancha de pinheiro bravo da Europa)!

um sorriso :)

By myself disse...

Que imagem impressionante. Parece uma pele flácida que escorrega.
Incrível.

Bj