segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Sobre Gatos e Palavras

"Os gatos são palavras com pêlo. Os gatos, como as palavras, rondam à volta dos humanos sem nunca se deixarem domesticar. É tão difícil meter um gato num cesto quando temos de apanhar um comboio como ir à nossa memória caçar a palavra exacta e convencê-la a tomar o seu lugar numa página em branco. Palavras e gatos pertencem ambos à raça dos inefáveis."
(Erik Orsenna, in Dois Verões)
.
(Texto oferecido por uma amiga, que por sua vez o retirou de http://acreditandonotruque.blogspot.com)
.
Lionel Hampton - I surrender, dear

43 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
tenho duas gatinhas,
de rua, dois produtos
de marca branca
a Diana já na 3ª idade,
e a Ruca, feinha, feia, feia,
tão feia que é lindissima . . .
,
conchinhas, deixo,
,
*

Rosa dos Ventos disse...

Um texto que os define tão bem, de uma maneira tão simples e ao mesmo tempo tão profunda!
Não consegui encontrar na memória palavras mais interessantes para comentar este delicioso post!

Abraço com sabor a bolinho

pinguim disse...

Só quem não tem gatos poderá discordar,
Beijinho.

Patti disse...

Tanto para dizer sobre ambos ...fogem-nos, quando mais os queremos agarrar.

faz-de-dono disse...

Olá!
Inefável.
Palavra pouco usada mas muito adequada.
Excelente tradução, em todos os sentidos.
Inefável.

Paula Raposo disse...

Um texto tão lindo!
Beijos.

A Magia da Noite disse...

os gatos são almas especiais, em tão pequenos animais.

Duarte disse...

"Oteando" o horizonte da sua atalaia preferida... nem os cirros o amedrontam... valente Mounty.

Um grande abraço para ti e uma meiguice para o Mounty

com senso disse...

Os gatos são belos, independentes, inteligentes e simultaneamente ternos...
Nada mais a propósito, face a algo tão interessante como "I surrender dear"!
Um beijinho!

BlueVelvet disse...

Nunca tive gatos por isso não lhes conheço esse feitio independente.Mas o texto é belíssimo.
Beijinhos e festinhas ao Mounty

salvoconduto disse...

Gatos não tenho, com a excepção da "Nice" da vizinha que por aqui passa regularmente. Palavras, muitas. Pêlo, tenho ali uma bolinha enroscada ainda a dormir sob efeito de anestesia na clínica, onde fui deixar mais uma nota preta, mas o meu companheiro de 16 anos merece. Será que me vai deixar? De repente custam-me as palavras e vou-lhe amaciando o pêlo.

utopia das palavras disse...

Não li melhor sobre gatos e palavras...ambos felinos, ariscos, meigos e capazes de fazerem feliz qualquer ser humano irremediavelmente...!

intimidades disse...

tou com cada vez mais vontade de ter um gato

Jokas
PAula

mdsol disse...

Ora aqui está um texto mesmo à tua medida. Ah! Como está ele? Caprichoso como sempre?
Ando cheia de coisas para fazer e mal tenho tempo de andar por aqui. Mas tenho saudades...

Beijinhos para os três!!!!!

:))))

JPD disse...

Completamente de acordo.

A propósito do autor que citas, sabes dizer-me se houve alguma reedição de «OS GATOS» do Fialho de Almeida?

Sei que editou vários volumes de crónicas com o titulo de «Os Gatos» e ainda nem primeiro volume encontrei.

GR disse...

LINDO!
Este blog é,uma caixa de surpresas:

Bjs e uma festinha para o Mounty

GR

Lídia Borges disse...

Concordo com esta leitura que aproxima as palavras dos gatos. De facto, tanto as palavras como os gatos são indomáveis na sua mansidão.

Um beijo

Mar Arável disse...

Um dia destes só pelo que te leio

vou aperfilhar um casal de gatos

mesmo que de tão livres

não conheçam o dono

Se assim decidir

será por essa característica

sem ofença para os meus cães

Bjs

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nunca tive gatos, mas há muitos anos que convivo com um que anda lá por casa no Porto. São uma fonte de inspiração e, muitas vezes, ajudam a encontrar as tais palavras que faltam na página em branco. O Manuel António Pina tem uma érie deles em cas, mas há só um que se senta com ele junto ao computador. É delicioso ouvi-lo falar da sua relação com os gatos.

Fernando Samuel disse...

Este texto é.. é...é... lá me fugiu o raio da palavra...

Um beijo.

as-nunes disse...

Sugestiva comparação:

Tentar agarrar um gato contra a sua vontade é comparável à frustrante sensação da palavra que nos foge quando mais dela precisamos...

Mesmo assim não é possível deixar de sentir o sublime momento do reencontro quer com ele quer com ela, a palavra...

Abraço
António

João Videira Santos disse...

Felinos como algumas palavras que arranham ainda que não tenham pêlo...

aguacateyfresas disse...

Bela foto!, beijos.

samuel disse...

Muito bom texto... e o "artista" parece que sabe estar a ilustrá-lo...

Abreijo.

anamar disse...

Mas quem melhor do que tu pode "ilustrar" os gatos!!!
Um dia quem sabe, quando fôr mais crescidinha, tenha um para afagar. Se ele deixar, claro.
Beijoca

Violeta disse...

E eu fiquei sem palavras...
bjs

Lilá(s) disse...

Os gatos são maravilhosos, tantos momentos maravilhosos que nos proporcionam, tantos ronrons que nos deliciam, adoro-os...
Bjs

mena m. disse...

Impossível não nos rendermos ao charme do Sr. Mouty!

Uma delícia de texto, Justine!

Abraço desta Berlim já tão fria, onde cada gato tem o aconchego de um lar!

Beijinhos

Benó disse...

Mais uma vez homenageias os felinos. Caçadores, independentes, mostram as garras quando é preciso. Eles são a companhia ideal para quem vive só mas, querem-se soltos, libertos; são escorregadios e silenciosos q.b..
O Mounty é o teu preferido.

MagyMay disse...

É isso mesmo!...gatos e palavras são independentes...tão fugidios.

Abraço (apertadinho...)

greentea disse...

só tenho gatos de rua , que andam à solta pelos campos e vêm dizer olá sempre q chego a casa
livres como as palavras que não se deixam aprisionar numa qualquer folha em branco ...

mfc disse...

São ambos indomavelmente belos!

JPD disse...

Agradeço a informação sobre o Fialho de Almeida, Justine.

Azul disse...

Ai, as palavras. São as verdadeiras donas de mim! Beijo grande. grata pelas visitas e ... novas em carmim.

até breve. azul/carmim

Dri Viaro disse...

Bom dia!!
Vim conhecer seu blog, e desejar bom fds
bjsss


aguardo sua visita :)

Lúcia disse...

Este texto, que não conhecia é muito interessante. E as entrelinhas? Poesia pura.

O LOBO de....POTT disse...

Deves andar muito ocupada a domesticar gatos...
Diz quem sabe que isso é impossivel...

Um rugido forte pela tua ausência...
O LOBO

Nilson Barcelli disse...

Uma comparação muito interessante.
Gostei de ler.
Querida amiga, bom fim de semana.
Beijos.

Fa menor disse...

Também a palavras podem ser bolinhas com pêlo
.
tão difíceis, por vezes, de se deixarem agarrar
.
e entender.

Beijinhos

legivel disse...

... quando aqui cheguei, e num olhar de relance, pensei «olha a Justine tirou uma foto ao Marquês de POmbal!» mas vendo com atenção, do relvado do Parque Eduardo VII, nem pó. Mas do ângulo em que a foto foi feita, como é que eu pretendia ver mais que o azul do céu? De facto a encenação está perfeita: de uma penada, o Mounty afastou o Marquês e o Leão e o pedestal é todo seu. A cereja em cima do bolo, seria o seu "amigo" Passarinho, no lugar do rei da selva, mas não se pode ter tudo, não é?

Arabica disse...

Talvez por isso, gatos e palavras, façam parte do meu imaginário, ambos heróis de uma história por escrever.

:) Beijos, bom fim de semana, contente por ter conseguido domesticar e possuir estas (pelo menos estas!!!) que te deixo, sossegadinhas no sitio certo do comentário! (acho eu!!) ;)

M. disse...

Que gira a expressão "Os gatos são palavras com pêlo"!

Alien8 disse...

Excelente, Justine!

E mais não digo, que não é preciso.