sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Cintilações


Há coisas cintilantes e delicadas escondidas nos nossos dias taciturnos.
Os poetas sabem disso (José Mauro de Vasconcelos sabia-o, Ray Bradbury também, mas eles afinal eram poetas).
Às vezes tenho a sorte de dar de caras com algumas cintilações,mesmo ali no meio dos meus passos banais.
Desta vez foi o Museu da Música, quase escondido na saída do Metro do Alto dos Moínhos.
Vale a pena parar naquele pequeno oásis silencioso e fresco.
...
Waltz for piano nº 9, Chopin (Vladimir Ashzenazy)

20 comentários:

Sal disse...

Música.
Tudo.
A maior Arte cintilante!
(pelo menos para mim)

beijinhos

pinguim disse...

Tão perto e "tão longe"...maldita inércia!
Obrigado pela dica.

MagyMay disse...

E eu nunca lá parei...

Vai ficar na agenda, Justine...
Agradecida

Si disse...

Justine,
Venho convidá-la a participar num novo passatempo que foi lançado na caixa dos comentários da minha casa.
Passe lá, sim? Também há prémio para atribuir ;D

Paula Raposo disse...

Nunca lá fui. Bom fim de semana, beijos.

intimidades disse...

lindo como sempre

acabaram as ferias :(:(

jokas

Paula

Lilá(s) disse...

E quando menos se espera descobrimos bem perto um local que merece visita!

mfc disse...

A música e as palavras seduziram-me.

Fernando Samuel disse...

Esperemos (lutemos) pelo dia em que todas as coisas cintilantes se revelarem...

Um beijo.

PreDatado disse...

Boa dica. Obrigadinho. Bom fim de semana.

utopia das palavras disse...

Sempre dá fruto um olhar atento, e precisamos tanto de pequenas (grandes) cintilações...!

Beijo

Pitanga Doce disse...

Infelizmente não posso ir. Não pego essa linha do Metro. hehehe

Violeta disse...

Obrigada pela sugestão...
bjs

Patti disse...

E que bem que incluis o José Mauro no meio desta tua descoberta. Cintilante cada palavra dele; música para todos os nossos sentidos, na verdade.
Também não conheço o Museu da Música e lá passarei.
Obrigada pela sugestão.

legivel disse...

... lamentavelmente não conheço o Museu da Música embora dele já tenha ouvido falar. É que o Alto dos Moinhos fica-me fora de mão (o mesmo não se passa com o Estádio de Alvalade onde a música é outra e ontem saí de lá ao som de uma marcha quase fúnebre... ) mas um dia destes vou tirar-me dos meus cuidados e visitar esse tal "oásis silencioso e fresco" e quem sabe, meter conversa fiada com algum beduino local...

Rosa dos Ventos disse...

Se tu recomendas é porque é bom!
Vou inscrever o Museu da Música numa próxima ida a Lisboa, onde há tanto que ver e rever.

Abraço

A.S. disse...

Justine...

Nada acontece por acaso!


Beijos...

Arabica disse...

Eu, pecadora me confesso: será credível eu ainda não o ter visitado?

Há coisas assim, tontas.

Beijos.

jawaa disse...

José Mauro é o meu poeta-menino preferido, e tu a melómana que não me importaria de ser...

poetaeusou . . . disse...

*
é, minha amiga,
,
museu da musica,
onde emana,
o silencio auditivo . . .
,
conchinhas musicais,
,
*