quinta-feira, 27 de março de 2008

As mãos invisíveis

Saio de casa pela manhã , pelo caminho das imagens


e chego ao jardim. Que desconheço, que não reconheço

Que todos os dias se re-inventa e me surpreende.



E pergunto que multidão de mãos invisíveis tecem todas as noites estes milagres perturbadores, mudando paisagens e emoções.



Regresso a casa, humilde, silenciosa e transparente.



24 comentários:

Pitanga Doce disse...

Justine, é maravilhoso ver o que a Natureza faz. Nos enche os olhos e a alma. E a casa silenciosa e transparente é uma bênção dos céus. Se soubesses o quanto esta cidade aqui pode ser barulhenta!

beijos matinais

bettips disse...

Percebo à minha maneira.
Como sois, reinventados.
Sempre, em florescência de cada dia...
Bjinho

mountolive disse...

Dei pela tua ausência.
Mesmo que sempre estejas onde eu estou, fazes-me sempre falta quando não estás, por mais curtas que sejam as ausências.
Mas valeu a pena.
Regressaste à casa humilde. Que mais rica ficou, com o teu silêncio e a tua transparência. E as tuas fotos e as tuas legendas, que nos trouxeram a vida que lá fora foste colher.

Idun disse...

belíssima partilha de um poético percurso.
é assim mesmo: regressas mais humilde, mais rica; também depois de viajares pelas nuvens de dias anteriores, às quais soubeste roubar um pedaço de sol escondido, que transportas para casa nas mãos visíveis, juntamente com o aroma e a cor renovada das flores.

a Humana pediu-me para te transmitir que, quando se sentir melhor, te vai preparar um miminho, que depois poderás encontrar lá no jardim.

marradinhas amistosas

Fernando Samuel disse...

As mãos invisíveis da VIDA...

JPD disse...

Acho também segura da autoria de uma excelente edição

un dress disse...

lindo lindo lindo!!

trans

pa

rente! :)

herético disse...

itinerário de beleza. o teu...

Justine disse...

PITANGA, tenta esquecer o barulho dessa cidade e aproveita o que ela tem de belo, muito belo!

BETTIPS, cada dia nos reinventa!


M'Olive,nós sabemos fazer a simbiose entre o "lá fora" e o "cá dentro", não é?

Justine disse...

Idun,és uma gata-poeta:) E espero o miminho da tua humana, desejando-lhe melhoras!

FS,...que nós tantas vezes esquecemos.

Justine disse...

JPD, obrigada pela visita e pelo cumprimento. Volta sempre!


UN DRESS, vindo de ti, purista/artista, é um enorme comprimento!

HERÉTICO, é a beleza que nos torna melhores...já lá dizia o Kant(se não estou a confundir...)

Azul disse...

Nada me resta aqui, a não ser a promessa de que cozinharei para si uma bela tarte de requeijão com doce de frutos vermelhos para lanchar consigo no jardim da sua vida... maravilhoso este percurso e bela a sua admiração pela natureza pura, transformante, que nos intriga. Parabéns pelo espaço que é o seu. Obrigada pela visita. Leu bem o meu poema, Justine. Melhor do que o pensei ao escrever. Obrigada.

Um beijo. Até breve. Azul.

Justine disse...

Azul, já tenho água a crescer-me na boca! Olha que quem não cumpre promessas vai pró inferno :))

M. disse...

A Natureza apazigua. E é tão bom conversar com ela. Lembro o dia em que senti pela primeira vez o que era esse diálogo silencioso com os campos, a irmandade perfeita.

Licínia Quitério disse...

Perante este itinerário de magia, a minha visita hoje não pode ficar invisível. Deixo um rasto de apreço.

Justine disse...

M.também partilho dessa sentimento panteísta.


LQ, obrigada e que a magia te toque



BOM FIM DE SEMANA A TODAS/TODOS

Idun disse...

já está, no jardim, o tal miminho para ti, preparado pelas mãos da minha Humana.

marradinhas & ronrons

Rosa dos Ventos disse...

Lembraste-me um pouco Sophia de Mello nesse regresso silencioso a casa, entre outras frases tão poéticas que escreveste a propósito do teu surpreendente jardim!

Abraço

Justine disse...

IDUN,um mimo delicioso, que eu tentei retribuir por mail...


ROSA, estou encantada por reconheceres ecos da Sophia nas minhas emoções primaveris!Beijo

GR disse...

Justine,

És uma contadora de histórias, através do olhar!
Linda, a tua casa acolhedora e o jardim, um paraíso para meditar!
Estas fotos e legendas, são tão serenas, até parece que o mundo é bonito.

Um bj,

GR

Justine disse...

GR, e quando é que vens até cá, para confirmares que o mundo pode ser bonito?

bettips disse...

Tinha aqui um pensamento à medida nossa:
"Immobile, assis sans rien faire, le printemps vient, l'herbe pousse".
Poeta chinês, anónimo.
(sempre que falo em China - e é mal antigo - me dá comichões. Mas os poetas, os artistas...talvez eles salvem a humanidade do terror permanente)
Bj

Maria disse...

Excelente texto, Justine. Superior à beleza das fotos.
Gostei especialmente da última frase, "silenciosa e transparente". E como te percebo....

Um beijo

Cândida disse...

o teu blog é encantador.