segunda-feira, 3 de março de 2008

A Casa Grande de Romarigães




Esperei que parasse o vai-vém de sons e silêncios. E só quando apenas se ouvia o tempo, abri os olhos e enfrentei a Casa acabada de sair das páginas da literatura para se colocar alí, à minha frente: magoada com a passagem para a realidade, as paredes têm feridas de chuvas e ventos, as janelas e as portas, fechadas, não são mais presságios de regressos nem recomeços, e a capela passou a ser lugar ateu.
Fechei de novo os olhos, tomei balanço, e voltei à voz de Aquilino.


13 comentários:

mountolive disse...

Só quando se ouvia o tempo... só quando as vozes eram as do que tinhamos guardado dentro de nós, de leituras e vidas nascidas e vividas na arte de contar. E de casas grandes vivas porque com vida.
Depois... depois abrimos os olhos, e tu, Justine, foste capaz de fotografar e de dizer tão bem o que havia que ser dito.

Maria disse...

Fico apenas a olhar, e a ler...
... à espera que escrevas mais assim, quando apenas ouvires o tempo...

TINTA PERMANENTE disse...

Ora pois não tarde que te mostre que, há uns dias, por aí estava um lindo dia de sol!...
(e não é que andamos a espreitar pelos mesmos ângulos?...; é verdade que a estreiteza e a curvatura também não dão para muito mais...)

abraços!

Justine disse...

M. e M, obrigada pelas palavras boas.

TP, neste dia estava a chover, e para outro ângulo só se fôssemos para dentro do campo de magnólias, aliás era o que apetecia, tão belas estavam.Abraço

Fernando Samuel disse...

«As casas velhas são como as pessoas velhas: estão cheias de recordações»

M. disse...

Belas as fotografias e as palavras. Gostei muito.

Rosa dos Ventos disse...

Passei por lá há um bom par de anos e também fiquei incomodada com esse ar de espera, à esquina do tempo...

Abraço

bettips disse...

Que tristeza num lugar de poderia ser de culto! Do falar da terra, das gentes
do malhadinhas
dos lobos que (ainda) uivam

Fotos e palavras com uma homenagem singela das nossas lembranças. Linda!
Bjs

herético disse...

escreves mto bem. um prazer ler-te. que irei usufuir mais vezes...

Justine disse...

FS,e quase sempre a memória é o que mais conta.

M., obrigada :)

Rosa, já estava com saudades!

Bettips, a tristeza era palpável, ainda mais com a ajuda da chuva...

Herético, agradeço e retribuo...:)

Azul disse...

magnífica casa e magnífico é o seu olhar... um beijo para si. até breve. Azul.

Anónimo disse...

E que falta cá faz Mestre Aquilino para pôr umas orelhas a arder...
Balthazar

MJTK disse...

Se a Joaninha visse o estado da Casa Grande soltava não um ahh! mas um ohh!