terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Vietname, as gentes e os lugares - IV








Comércio
Outro pilar da vida económica vietnamita - as trocas comerciais.
Vende-se e compra-se de tudo em todo o lado: no cais ou no meio dos rios, num vão de escada, nos bazares e nos mercados, nos passeios e até de mercadoria aos ombros. As ofertas são imensas, as tentações irresistíveis...
Num vaivém contínuo, colorido e abundante, as trocas fazem-se com calma, bonomia e profissionalismo.

40 comentários:

Fa menor disse...

E continua a tua bonita reportagem!

Beijinhos

Boa semana

vovó disse...

ainda bem que o progresso, também, tem vantagens! como diz a Maria: " vou ali e já venho"... mas posso continuar a visitar-te e a regalar-me com as tuas fantásticas reportagens :)!
até...
beijocassssss
vovó Maria

Paula Raposo disse...

Que maravilha de colorido!! Beijos.

pinguim disse...

O que mais ressaltou deste novo conjunto de fotos foi a cor!!!!
Beijinhos.

Teresa Durães disse...

cores maravilhosas

mena m. disse...

Esta posição de cócoras seja para jogarem, conversarem, comerem ou negociarem, dá-nos conta de uma grande serenidade!
Pode dizer-se, com toda a propriedade, que vivem com os pés bem assentes na terra!

Nesta sequência de fotos sobressalta de facto o colorido e a variedade na oferta. Dos muitos produtos regionais às bolachinhas Oreo...

Encantador!

um que voltou mais vivo disse...

Regalo-me com o que leio e revejo. É uma leitura que complementa, que preenche. E, já agora, nestas trocas, acrescento que a última foto é de um verdadeiro restaurante ambulante, que se monta num passeio... e já está, com comensais e convívio calmo e animado.
Ah! o postiço das "grandes superfícies" face à vida viva daqueles barcos e passeios de Hanoi, ou de Hue, ou de Saigão, ou de, ou de ...

Rosa dos Ventos disse...

Que cores tão tentadoras!
Aqui até eu me perdia em compras... :-)

Abraço

Maria disse...

Que cores!!!
Gosto particularmente da "loja aquática"... quase sinto o cheiro...
Apetece abraçar este povo...

Patti disse...

Quando visito um país, nunca deixo de ir ver os mercados, pois dizem-me muito de quem lá vive e dos seus hábitos.

Cores únicas, Justine. Mais uma vez, parabéns pelo 'olho' das fotos.

hfm disse...

Bebedeira de cor!

Quanto ao comentário na Linha de Cabotagem estou inteiramente de acordo.

Arabica disse...

Justine,

sabes o que senti logo em primeira mão? a vontade de largar tudo, entrar na foto e ser a barqueira de frutos...nas águas calmas de um mundo longinquo...

Grande viagem :)

Cada vez mais a vontade de ver mais :)

Um beijo

Azul disse...

Olá Justine. Antes mesmo do Natal, ouvi alguém contar como foi ir ao Vietname. OUvi deslumbrada, não só pela história magnífica que me contavam, mas também por aquilo que, em imagens, eu imaginava desse país longínquo, através das palavras ditas por ela. Agora aqui, com ar de surpresa (de novo, e sempre, este lugar é surpreendente para mim), vejo o que vi nesse dia. E o mais engraçado é que, fico a pensar no Vietname como uma espécie de obra de arte: por mais olhares que tenha, há algo de essencial de si, que permanece. Que se revela tão claro, nesses imensos e diversos olhares! Magnífico reencontro. Bom ano de 2009. Até breve. Um abraço. AZul.

Anónimo disse...

A simplicidade e as cores são fabulosas!
Fico á espera do próximo capítulo...
Agrades

dona tela disse...

O que me faz impressão é essas pessoas todas de cócoras. Mas porque será? Bom, numa das fotos já se vê uma cadeirita de plástico encarnado igualzinha às da esplanada do Juca.

Muito boa noite.

Juani lopes disse...

Hola Justine, hoy con tus 4 post he aprendido mucho de una tierra que solo la conocia por su nombre y por la guerra que mantuvo con EEUU, y realmente me ha impresionado mucho, pues no me la esperaba asi, agradecida por la leccion.
Espero que pueda unirme ha esa gran fiesta de amigos, para mi seria un placer, si hay algo que me gusta en esta vida es tener amigos y hacer amistad
saluditos

1/4 de Fada disse...

As cores, que maravilha... e a calma das pessoas... que fotografias extraordinárias!

Duarte disse...

A mestria do bem fazer. Assim, num desfilar de fotografias magníficas, num país cheio de luz e de cores, mas rico nos contrastes. Conseguem uma relação comercial, aparentemente sã, quando a velha Europa se deixou apanhar pela rapina.
Posso dizer que já sei algo mais do Vietname... sem andar por lá: vi pelos teus olhos.

Um grande abraço

mundo azul disse...

______________________________

Belas e coloridas fotos!


Beijos de luz e o meu especial carinho, Justine...

_______________________________

greentea disse...

maravilha de viagem!!!!!!!!!!!!!!!!!

JPD disse...

É verdade: sem preconceitos, sem esquisitices!

Belo naipe de fotografias.

Continuação de boa viagem.

Bjs

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Continuam as fotografias fabulosas que me reavivam a memória. Ontem, depois de ter visto as anteriores, fui bscar as minhas descobri uma de uma barbearia no meio da rua, com aquela fumarada e aquela barulheira toda. Não percebi para que lhes lavam a cabeça...

Idun disse...

olha, amiga justine: estamos aqui sentados e caladinhos, a acompanhar os teus relatos, não vês?

já agora, não podes ficcionar um bocadinho e enquadrar o querido mounty na viagem? é que não aguento as saudades e não posso descer para o ver num post mais abaixo porque agora deu-me para ter vertigens... :(

marradinhas afectuosas

jawaa disse...

Um assombro o que mostras e como mostras!
Obrigada, fazes-me ter vontade de correr para o Viename já, já.
Um abraço e vai continuando a reportagem que nós não somos o Mounty e queremos ver mais...

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Justine...Bela Foto Reportagem...Excelente...
Beijos

as-nunes disse...

Fantástica reportagem sobre o Vietname, aquele país que só conhecíamos, os dos anos 60, da Tv e do cinema, guerra e mais guerra, gente em fuga, feridos, estropiados, Americanos em pé de guerra por todo o lado, bombas de napalm, helicópteros de combate, aviões bombardeiros, porta-aviões, bombas, mais bombas, o som infindável das metralhadoras e dos canhões a cantarem canções de morte!...
Ainda bem que o Vietname se transformou num país onde se vive em paz. Até me parece impossível!
Abraço
António

Licínia Quitério disse...

Estou a pensar em como nos pode trair o imaginário não vivido. A Indochina de Duras seria para mim em cinzento e verde. O Vietnam de Coppola, cor de fogo e negro. Para este país, o da profusão de cores, eu não tinha referências. Talvez devesse ter pensado na paleta vibrante que nos dá uma floresta depois do incêndio e da chuva.
Um beijo.

vida de vidro disse...

As tuas fotos trazem-nos as cores e fazem-nos imaginar os cheiros, os sons. Tem sido muito bom seguir a tua reportagem. **

tinta permanente disse...

Lá do fundo até aqui, vagarosamente, degustei e gostei do sabor da cor. De facto, extremamente apelativas e, claro, muito bem realçadas nas fotografias.
abraços!

Vieira Calado disse...

Outras gentes, outra cultura.

Obrigado pela mostra.

poetaeusou . . . disse...

*
o teu olhar
expressa o renascimento
de um povo.
*
VOLTEI . . .
,
alentado me sinto
com a tua visita,
,
navego,
no mar do contentamento,
espumando sophia,
entre o sal de pessoa
e a fenda de redol . . .
,
vagas de gratidão, deixo-te,
,
*

legivel disse...

... da reportagem fotográfica e textual já opinei em post anterior a este mas não quero deixar de referir o que já muitos referiram também aqui: a extraordinária paleta de cores deste país. Porque um país sem cor está doente ou para lá caminha.
..............................

Post scriptum à atenção do Mounty:

Tem calma pá! O teu dia há-de chegar. Ouvi uns rumores que a tuadona está preparar um trabalho cinco estrelas sobre a tua artística figura e que será editado assim que terminar o relato desta viagem. Que pelo volume do material documental, será lá mais para o final do ano...

mdsol disse...

lindas as fotografias. sensíveis e amorosas as palavras. Estou aqui estou lá!!!
beijinho
:))

Fernando Samuel disse...

Tanta calma.
Tanta quietude...



Um beijo.

o das caldas disse...

Linda viagem.
2 beijinhos e votos de 1 bom ano.

bettips disse...

Como a natureza é pródiga de cores e de como a calma nos preenche o olhar.
E tão bom saber, assim, a grande paciência da razão deles!
Beijos

mariam disse...

Justine!

F A N T Á S T i C O!

obrigada.

um sorriso :)
mariam

cristal disse...

Tenho visto todas as fotos e sentido os textos que as enquadram. Fica sempre o "apetite" para mais, muito mais...

Sofá Amarelo disse...

As cores... acho que os povos que tiram partido das cores têm mais probabilidades de serem felizes... em Portugal, como se sabe, andar muito colorido é «piroso», talvez por isso sejamos um povo triste...

materials disse...

rabbit6542
rock6523
new8754
tin3458
tool325